terça-feira, 12 de agosto de 2014

Que Sporting para iniciar o campeonato!


Estamos a 5 dias de começar o campeonato nacional em Coimbra. O mercado apenas fecha no dia 31 de Agosto, jogar-se-á a terceira jornada na Luz por essa altura, e ainda hoje não sabemos se o Rojo vai ou não para o Manchester United.

Mas no sábado, Marco Silva tem de apresentar um 11 titular, e um banco, capaz de vencer o jogo e conquistar os primeiros três pontos.

Recuar um pouco.

Quando Bruno de Carvalho venceu as eleições, um certo e determinado clima de paz pairou sobre Alvalade. Estávamos perante aquele período em que era importante reunir para arrumar a casa. Não se podia cobrar objectivos à nova Direcção, o ano zero de uma nova era.

E assim foi até conquistarmos o segundo lugar e, consequentemente, a qualificação para a Liga dos Campeões.

Podia ainda recuar mais até à mítica assembleia geral de 1.500 sócios onde o plano de reestruturação financeira foi apresentado, e onde foi estivemos perante o real estado do clube. Não irei dizer calamitoso, mas muito próximo de uma ruína financeira, que, com a Direcção anterior nem sei onde iria parar. Talvez o abismo fosse mesmo a direcção.

Há muita gente que se esquece disso!

Voltemos agora ao presente. Podemos situar-nos no jogo diante do Sporting Gijón onde perdemos de forma brusca e sem sinais de estar preparados para uma exigente época.

O Sporting actual está, novamente diria, entre um 8 e 80 num bipolarismo estranho. Há os incondicionais adeptos de Bruno de Carvalho, que não admitem que nada seja dito contra ele, e estão de volta ao incondicionais adeptos do anti-Bruno, que não admitem que o homem faça algumas coisas bem. Muitas até. Pelo meio, há de tudo, mas nota-se nos últimos tempos uma dificuldade em discutir em qualquer fórum, grupo de facebook, café e por aí fora, diferenças de opinião sem ser-se apelidado de pró ou anti Bruno. E somos todos do mesmo clube, o que é preocupante!

Na altura em que escrevo isto, ainda conto com Slimani, William e Rojo na equipa. Se me perguntarem objectivamente se a equipa está melhor que na época passada? Diria que sim. Um ligeiro e tímido sim.

Porquê? Apesar de não apresentarmos um único reforço capaz de ser titular já em Coimbra, ao nível das opções estamos melhor, em quantidade e apesar de pouco para analisar, de qualidade, assim me parece.

É pouco? Claro que sim. E diria que fico preocupado com as exigentes competições que temos pela frente. Especulando um pouco, se sair Rojo, Slimani ou William, diria que é necessário rever a nossa posição como verdadeiramente candidatos ao título. Somos no papel, porque o Sporting tem de lutar sempre para tal objectivo, mas na prática a coisa complica-se.

Complica-se porque o Sporting não tem dinheiro para gastar como todos nós quereríamos. Porque há que ser rigoroso com as contas. Alguns dirão rapidamente, mas e o Ryan Gauld não custou 2,5 milhões de euros? E a Academia? Já por diversas vezes falei desse assunto, nem tudo que vem da Academia pode ser aproveitado, e apostar num jovem jogador que se espera que seja em breve uma mais valia, nada melhor que o ambiente de Alcochete para esse trabalho.

Depois há o problema financeiro. Quantos jogadores foram falados para o Sporting e depois vemos os negócios em 7, 8 milhões, e percebemos que nunca poderiam ter sido solução para o Sporting. A não ser que nos vendêssemos ao Jorge Mendes. Não creio que seja o caminho. E estamos fartos de ver os fundos a ficar com grande parte do lucro.

O Sporting em Coimbra só não irá, provavelmente, arrancar com o mesmo 11 da época passada porque, Montero vive um seca que leva a que em "nossa casa", os nossos adeptos o amaldiçoem e a crítica seja até brutalmente arrasadora para com o jogador, e porque se sair Rojo (e sem Dier) entrará um reforço para o eixo da defesa.

O mercado só fecha, como disse em cima, já com a terceira jornada em curso. Não consigo, até porque estou escaldado de tantos jogadores que iriam ser tudo e mais alguma coisa em Alvalade, que assim que vestem a nossa camisola, perdem qualidade, proferir com a certeza absoluta que o plantel é melhor que o da época passada. Daí o tímido sim.

Dos reforços que chegaram a Alvalade, Rosell, Tanaka e João Mário (este não chegou propriamente), são para já óptimas soluções para os respectivos lugares. 

Esgaio merece, e deve ter a sua oportunidade na equipa A. Não dar a Ricardo Esgaio uma oportunidade é desacreditar o trabalho de quem tanto lutou nos escalões por onde passou e sempre soube honrar a nossa camisola mostrando qualidade para ter a sua chance.

Depois tudo o resto são, mais ou menos, incógnitas desde Paulo Oliveira, com bom percurso em Guimarães, Sarr (falta de experiência), Rabia, Jonathan Silva (qualidade mas tem de crescer), Slavchev e Geraldes. A questão será sempre a mesma, porquê estes e não outros? 

Simples. A Direcção é que tem essa responsabilidade. Nós faremos uma avaliação disso.

Como treinador de bancada, que todos nós achamos que somos, diria que estamos a perder uma oportunidade para vender Capel e, não fosse o mundial, Patrício. O espanhol não tem trazido a qualidade que é necessária e certamente seria uma boa oportunidade para vender e baixar a folha salarial para encontrar outras soluções. 

Patrício, e eu sou um admirador do guarda redes da Selecção, tenho receio que estagne e que acabe por não ser aquele importante elemento que tanto precisámos. Mas isto é apenas a minha opinião.

Falta-nos na equipa um defesa central, se sair o Rojo então torna-se evidente, um extremo dependeria se saísse o Capel, e....(suspiro)....como gostava de ter um jogador da qualidade do Balakov. Alguém que pensasse o jogo como o búlgaro fazia, que trouxesse a experiência consigo, que fosse capaz de dar um berro dentro de campo para serenar os ânimos ou para impor respeito como fazia Schmeichel. Não temos isso no plantel. Aliás, falta-nos essa maturidade na equipa.

Não sou eu que dito a estrutura necessária para a equipa, não sou treinador e votei favoravelmente para que esta Direcção assumisse "o barco". A equipa que estiver inscrita no dia 1 de Setembro é a "nossa equipa". Depois disso, cá estaremos, porque um adepto está cá para isso, a dar as nossas opiniões e a ver o que ela vale. O resultado é o nosso meio para avaliar o trabalho efetuado.

Há outros caminhos que poderiam seguir-se? Claro que sim. Mas foi este o caminho escolhido pela Direcção.

Uma certeza porém, em Coimbra é para encher o estádio, unidos a uma só voz vamos gritar pelo Sporting para conquistarmos a vitória!

Sem comentários: