segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Mas está tudo bem? Não, não está!

O fim de semana correu mal. Muito mal. Há assuntos que podem e devem ser debatidos, analisados, percebendo ou tentando perceber o que se estará a passar.

Continua a criar-se a ideia, ou melhor, a manter a ideia que ou se está com a Direcção ou contra. Irrita um pouco. Votei duas vezes nas listas de Bruno de Carvalho, e até ao momento em que escrevo estas linhas, não estou arrependido. Mas, não deixo de dar as minhas opiniões mesmo que sejam contrárias ou no sentido de apontar algo que se passe no clube e não me parece ajustado. Vamos aos assuntos mais importantes.

A declaração que ontem Bruno de Carvalho fez no Facebook não me choca. De certa forma espanta-me que os adeptos não fiquem escandalizados com a exibição paupérrima que a equipa fez em Guimarães. Não quer dizer que o Presidente ao criticar esteja a colocar-se à margem e a atirar as culpas para os jogadores. Não!

Os jogadores têm feito jogos notáveis, e não é preciso recuar muito para lembrar as excelentes exibições contra o Porto, grande parte contra o Marítimo e a "roubalheira" na Alemanha, e criticar usando uma palavra forte como "dignidade", ou falta dela, é uma parte do caminho de exigência que todos devemos querer para o clube. O Presidente irá ser julgado nos momentos certos, nas avaliações que se vão fazer, sócios e adeptos, relativamente aos resultados desportivos. Nas AGs, nos finais de época, nas eleições que virão, tudo servirá para avaliar o seu trabalho!

Claro que muitos não aguentam pelo final da época, querem que ao terceiro mês de competição, a Direcção seja escrutinada. Alguns desses que pedem o escrutínio tão prematuro, festejam algumas vitórias deste ano com um nó na garganta.

Mas está tudo bem? Não, não está!

Formação. Algo se passará na formação. Os resultados são negativos, há mudanças consecutivas e que deixam muitas dúvidas no ar. Barão já passou por 3 cargos diferentes nos últimos meses, a história de Abel na equipa B nunca foi muito perceptível, e, quem não sabe o que se passa, e acredito que somos muitos, ficará sempre com dúvidas das movimentações de Virgílio, Venâncio, Lima e afins. 

Entre os problemas da formação, de algumas exibições de péssimo rendimento do Sporting B, pautada por jogadores que chegaram na pré-época e tiraram lugar aos "miúdos" que por cá já continuavam, há muita especulação que só poderia terminar se os resultados aparecessem. E isso não está a acontecer.

Por vezes gostava mesmo de ver alguém da Direcção a falar sobre isto de forma aberta e sincera. Não quero pensar nos tormentos do passado, e no que tanto se criticou que acontecia nos últimos anos em Alvalade. Mas também não vou nas críticas fáceis que tanto se tem lido por aí, de pessoas que em grande parte são e sempre foram apenas e só do contra. A Direcção que tantos comunicados, e bem, tem feito, poderia explicar de forma mais clara o que se está a passar na formação/equipa B!

Atletismo. Está confuso. Um dia são campeões nacionais que estão de saída para o rival porque queriam que eles ficassem a custo zero, como no dia seguinte apresentam-se atletas de classe mundial. Carlos Lopes em tempos numa entrevista a um jornal desportivo mostrou essa preocupação, principalmente no que refere a orçamento. O Sporting tem história e tradição no Atletismo. Estamos a ver nos últimos anos uma subida forte do velho rival, com resultados desportivos, e não estamos habituados. Somos uma referência a nível mundial, o Olimpismo sempre fez parte do nosso ADN. O que é preciso? Explicações, diria. Se é necessário reduzir orçamento, baixar as expectativas para voltar mais fortes. Façam-no. Digam-no claramente aos sócios/adeptos. Acredito que grande parte das dúvidas que existem no ar, sendo explicadas poderiam ficar desfeitas.

Até porque o Hóquei em Patins já demonstrou que os projectos com cabeça, tronco e pés, são possíveis nos dias de hoje. Mas para que os resultados apareçam é necessário ter pessoas competentes nos lugares certos. E isso pode ser a grande questão na formação e no atletismo!

Critica-se tudo e por vezes o mais ínfimo pormenor e esquece-se o que de bom já foi implementado.

No sábado durante o jogo contra o Vitória, o twitter oficial do Sporting lançou uma farpa relativamente à queda dos jogadores do Vitória no chão e a qualidade da relva. Nós não somos assim. Nunca o fomos e sempre soubemos respeitar o adversário. Já em Alvalade no jogo contra o Porto tratou-se o adversário por "adversário" e não pelo nome. E no Facebook oficial do clube, num jogo de hóquei em "casa", em vez de uma foto do pavilhão tirada...no pavilhão, colocou-se uma foto da transmissão na televisão, ainda por cima de má qualidade. São 3 exemplos e que podemos e devemos criticar. Criticar de forma saudável e construtiva. Não como arma de arremesso.

Porque nos últimos meses lançou-se um canal de televisão do clube, reorganizou-se um jornal, começou-se uma campanha para construir a casa das modalidades, vulgo pavilhão, transformou-se a comunicação digital do clube, estamos mais activos nas redes sociais, inclusive já vi muitos elogios de adeptos de outros clubes a esses pormenores, mas, são as ínfimas críticas, as que estão umas linhas acima, que prevalecem de forma fácil e desajustada por entre muitos Sportinguistas.

Há muito trabalho pela frente, há muita coisa bem feita e alguma que não estará no bom caminho, mas não me venham dizer que o Sporting está pior. Só há um pormenor que ainda não conseguimos ultrapassar, o dos resultados desportivos. Teoricamente ainda não vencemos nada quando comparando com os últimos anos de Direcções tortuosas. Essa é talvez a única ponta que alguns, críticos, estarão agarrados. Mas, pelo menos, já puderam ver alguns jogos da Liga dos Campeões em Alvalade. No passado para ver jogos das competições europeias, o melhor era aparecer no Estoril!

Ninguém está contente por estar em sexto lugar, com o investimento que foi efetuado, e todos desejam a conquista do título. Mas os que acham que basta ser o Sporting para se reclamar a luta pelo mais importante objectivo de um grande português, não são certamente os que estiveram numa AG concorrida, com 1.500 sócios, e que na altura em que se pediu calma, ponderação, onde se falou do difícil caminho que temos (e teremos) de percorrer, aceitaram e estavam dispostos a ajudar na recuperação do Sporting, financeira e desportivamente, sendo críticos mas não cegos, nem bajuladores, nem estar permanentemente de um outro lado da barricada que nem os nossos adversários fariam tal figura!

2 comentários:

Zé Pelé disse...

O Bruno de Carvalho surpreendeu-me, e muito pela positiva. Penso mesmo que o Sporting estava à beira de entrar numa espiral complicada antes da chegada do Bruno. E a verdade é que em muito pouco tempo, ele resolveu muitos problemas do Sporting, fazendo voz grossa quando o tinha de fazer. Agora, nada é perfeito. E por vezes, o Bruno de Carvalho tende a exagerar alguns aspectos, o que se pode virar contra ele e contra o Sporting. Em relação ao título, acho que se o Sporting o conseguisse seria um feito extraordinário, tendo em consideração a qualidade do plantel do Benfica e do Porto. E o sexto lugar penso que também é algo momentâneo. O Sporting não terá grandes dificuldades em terminar pelo menos no terceiro lugar e de disputar o acesso directo à Champions. Pode não parecer muito, mas o apuramento para a Chmapions tem quase tanta importância como um título.

João Torres disse...

Não podia estar mais de acordo e já hoje disse algo semelhante no meu cantinho.
BdC sabe o que faz e a seu tempo dar-nos-á as explicações que todos queremos acerca do que tem corrido menos bem.
SL