segunda-feira, 29 de junho de 2015

Assembleia Geral dá continuidade a uma mudança de paradigma!

foto: Jorge Faria Sousa via twitter

Mais uma Assembleia Geral história no Sporting. Se em Junho de 2013 foram 1.500 sócios num tarde de verão com um calor arrasador, ontem o número ficou-se pelos 1.000 sócios para decidir um futuro diferente para o clube.

Nunca será possível relatar o que passou na AG não estando presente e portanto podemos falar apenas do que é conhecido. Foram muitos os temas que se discutiram na AG, sendo que o mais importante tenha sido a auditoria, que agora estando concluída será possível consultar, e claro a expulsão de Godinho Lopes.

Da auditoria há muita coisa que já era conhecida do passado, histórias que sempre se ouviram contar, mas que nunca tinham sido analisadas ao pormenor, alguns exemplos:

- o valor exagerado da construção do estádio José Alvalade, que começou num determinado e terminou num aumento inflacionado do seu valor inicial;

- na passagem do Godinho Lopes da Somague para Vice-Presidente do Sporting num processo que foi desbloqueado com essa mudança táctica;

- no diferencial do custo da obra da Academia do Sporting;

- no negócio da venda de terrenos do Sporting à MDC por Diogo Gaspar Ferreira, ex-director do Sporting que depois foi para a MDC, e que será também objecto de um pedido de expulsão;

- da dívida do Sporting que em 1994, no tempo de Sousa Cintra e com auditoria, era de 600 mil euros e no final do mandato de Godinho Lopes era de 283 milhões de euros;

- da indemnização milionário a Rui Meireles de 510 mil euros quando saiu do clube.

A expulsão de Godinho Lopes, que seguiu os trâmites legais e que está nos estatutos do clube, pedida há 8 meses por 76 sócios, refere-se à fase 1 da auditoria que engloba a gestão imobiliária de 1993 a 2015 e o mandato de Godinho Lopes enquanto Presidente entre 2011 e 2013 no que refere a gestão desportiva, recursos humanos e e gestão de fornecimentos externos.

O Conselho Fiscal e Disciplinar pediu a um advogado externo e independente para fazer a instrução do caso e referidas penas, sendo que o CFD passou a de Godinho Lopes de 1 ano de suspensão para expulsão. Os sócios ratificaram em AG essa decisão.

Quanto à possibilidade de ter sido aberta uma caixa de pandora, as expulsões estão consagradas nos estatutos do clube e nenhuma direcção está acima do Sporting, nem mesmo esta que é presidida por Bruno de Carvalho, que, provavelmente, será a direcção do clube mais escrutinada que há memória.

Recordo que quando Miguel Paím e André Patrão fundaram o movimento "Movimento Dar Rumo ao Sporting" também se falava de uma caixa de pandora e da sua consequência que trouxe a saída de Godinho Lopes da presidência do clube. O clube não desapareceu e pelo contrário, dá mostras de vitalidade!

Por fim, uma palavra em relação ao pavilhão João Rocha, que terá a sua inauguração agendada para Março de 2017. O atraso de 3 meses deve-se à alteração do fornecedor Somague por Ferreira Power em virtude da recomendação por parte da Ficope porque a Somague queria alterar o caderno de encargos após processo terminado.

1 comentário:

Aboim Serodio disse...

Eu ja estou como o outro! So que sem câmaras de TV à minha frente! Um socio a menos mesmo com uma inicial igual à da Grécia (que se escreve com E de Eyyas -ou quase) e imaginando que somos 100000 ainda ficam 99999! Se um outro tiver de ser expulso e, se se chamar Aboim que tem uma inicial igual à da Alemanha (que se escreve com um D de Deutchland -ou quase) não vira mal ao Mundo! A porra seria se fosse um socio que se chamasse Pedro ou Paulo (como o Pereira Cristovão) que faria pensar na Polonia ou em Portugal! Também se fosse um Luis (seja ele um terno ou un duque) tudo bem ja que o Luxemburgo é mais um entre muitos a contribuir para o fracasso europeu!!!