quinta-feira, 12 de novembro de 2015

Kits, APAF e Lito


O caso dos "kits" Eusébio está a seguir os trâmites legais e necessários para que se averigúe realmente o que se terá passado. Houve uma denúncia, há uma investigação e logo veremos as conclusões. O importante é que estes e outros assuntos de relevância para o futebol nacional fossem analisados por entidades competentes e retiradas as tais conclusões, sem clubismos, a bem da necessidade de limpar a imagem que todos temos do futebol nacional.

Mas não posso deixar estranhar que uma resposta a este caso, dos 180 juízes, seja respondida em bloco utilizando uma minuta que a APAF simplesmente decidiu criar para facilitar o processo. Sinceramente, não entendo como raio é que se trata com tanta leviandade um caso como este, ou estivéssemos a falar do Cardinal ou, quem, sabe da "fruta".

Imaginem que a APAF tinha criado uma minuta para os árbitros responderem no caso da "fruta"? A paródia que tinha sido.

Já quanto ao valor da oferta, relembro que até a "meia de leite" pode ser mais barata que o Kit, depende do leite utilizado.

Claro que é complicado acreditar nas estruturas que dirigem o futebol nacional. Veja-se novamente o caso Naldo/Lito.

Já todos viram o vídeo onde se vê Lito a "atacar" Naldo. A grande questão é que neste momento, à face dos processos instaurados, o Naldo não empurrou Lito, o Naldo agrediu. O Lito, que como se vê agride Naldo, apenas interferiu no jogo.

A bem da credibilização do futebol e sendo Lito um líder no Arouca, um exemplo certamente para muitos, teria sido um acto exemplar se já tivesse pedido desculpas publicamente pela seu vergonhoso ímpeto teatral na segunda parte do jogo diante do Sporting.