quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Braga 4-3 Sporting (ap) :: houve Taça de Portugal!


Vamos a factos que é por aí que pretendo começar. O Braga venceu num grande jogo de futebol para a Taça de Portugal, dias depois de se ter assistido a uma das jornadas com mais golos na Liga Portuguesa. O Sporting perdeu e há uma influência directa do árbitro. É pena, a qualidade que as duas equipas imprimiram ao jogo passava bem sem isso, já o Euro 2016 não irá ter árbitros portugueses, o que reflecte bem o estado actual da arbitragem em Portugal.

Foi uma grande deslocação do Sporting a Braga, a dinâmica dos adeptos, no actual panorama, é que vamos a qualquer lado fazer uma grande festa porque a equipa joga, por vezes muito bem, a probabilidade de vencer é enorme. Mas ontem, pelos factos que já falamos e por alguns erros defensivos e tácticos do Sporting, e claro de JJ, perdemos.

A equipa inicial, ao contrário do que por aí já li, estava bem posicionado e de forte contenção no meio campo. Jorge Jesus sabia que tinha de ganhar a batalha no meio campo e isso, em grande parte do jogo aconteceu. Mas não foi suficiente para vencer a "guerra", porque; a) nos extremos o Braga soube sempre criar grandes desequilíbrios, e que acabou por resultar num deles o fatal 4-3, b) o Sporting voltou a sofrer golos inacreditáveis no meio da área quando já não se esperaria isso de uma equipa que tem defendido muito bem, c) as bolas colocadas nas costas dos nossos defesas sempre a causar calafrios.

Daí, que apesar do meio campo onde apenas William, na minha opinião, esteve muito mal, mesmo tendo marcado um golo, de conseguirmos marcar 3 golos em Braga, mas sendo permeáveis como já não acontecia há algum tempo, não foi suficiente para vencer.



Há depois dois momentos marcantes na segunda parte do jogo e decisivos para o desfecho da eliminatória, à parte da arbitragem e da segunda parte do prolongamento onde não se jogou. Primeiro a entrada de Gelson, que podia e devia ter mexido mais com o jogo, mas que ninguém me tira da cabeça que num dos lances em que ele faz um conjunto de fintas sobre um adversário, lesiona-se ou pelo menos sente algo na perna que não mais o trouxe de volta ao jogo. Ficamos com um jogador intermitente, voltamos a vê-lo, mas pouco, na primeira parte do prolongamento.

O segundo momento, para mim o mais importante, uma equipa como o Sporting que já leva 20 jogos (mais coisa, menos coisa) esta época, a vencer aos 83 minutos tem de controlar melhor a partida, ter mais posse de bola, temporizar mais. Até porque o Braga estava fortíssimo nos contra ataques e nas bolas lançadas para os extremos e nós apesar de dificuldade nesses dois pontos, conseguíamos, sempre que tínhamos bola, controlar o centro do terreno. Faltou algum calo para levar calmamente o jogo até ao final no 3-2 que nos daria a vitória. Sou sincero, não contava com esse volte face.

Foi uma festa enorme nas bancadas, a curva sul de Alvalade transferiu-se para a superior nascente do Estádio do Braga, 120 minutos intensos a apoiar a equipa e podia estar hoje apenas chateado pela derrota, porque o futebol vive destes momentos e estamos sempre preparados para tudo. Continuaremos a caminhar ao lado deste Sporting, porque nos faz acreditar que podemos atingir os nossos objectivos e nunca, mas nunca estarei aqui pronto a escrever textos para festejar a derrota do meu clube só porque não gosto desta direcção. Eles andam aí, hoje, contentes!

Por fim, o Braga é um clube que tem história em Portugal e procura, cada dia que passa, distanciar-se do "Benfica do Norte". Já o terá sido, não é, hoje em dia isso. Mas, terminar o jogo e colocar o "Bailando" (e já não falo das outras duas) mal o árbitro apita, faz lembrar que havia alguma azia desta época, o que acaba por ser incompreensível porque ainda não jogamos contra eles. Festejem, façam-no porque merecem, mas lutem pela vossa identidade!

Sem comentários: