sábado, 12 de dezembro de 2015

Já podemos falar de cláusulas de rescisão?


Renato Sanches é cláusula mais alta de sempre no Benfica.

(som dos grilos...cri, cri, cri, cri, cri, cri....)

Fico contente que o Benfica, embora não tenha nada a ver com o assunto, tenha fixado uma cláusula alta, provavelmente irrealista, para este jovem jogador. Há ali qualidade, há que proteger os activos e as apostas na formação. Nada contra. Espero mesmo que o jovem jogador tenha sucesso na vida desportiva, não vença jogos contra o Sporting,  nem títulos pelo seu clube, mas que tenha um caminho que seja desportivamente bom, por exemplo, quem sabe na Selecção Nacional.

Agora a questão é que desde que foi anunciado o valor da cláusula deste e de outro jogador, as críticas, as que foram feitas a Bruno de Carvalho em alto e bom som passaram a silêncio interrompido pelo cantar dos grilos.

(som dos grilos...cri, cri, cri, cri, cri, cri....)

Subitamente já não há imprensa desportiva a falar de jornais estrangeiros preocupados com as cláusulas de rescisão fixadas, como no caso de Tanaka, Slimani e tantos outros.

Relembro o que disse em relação às cláusulas de rescisão já há muito tempo, "A cláusula de rescisão desta grandeza apenas existe para evitar que os "tubarões "europeus que não têm que fazer ao dinheiro, e muitas vezes, sem plano de investimento a médio/longo prazo para os seus clubes, não cheguem cá e com a facilidade de outros tempos, levem os melhores jogadores.

Ora bem...a mesma Gazzetta dello Sport ontem fez um novo texto agora sobre o Slimani, o jovem jogador que foi de 300 mil euros a...10, 12 milhões? Ou mais? O importante é que há um cláusula que impõe respeito. Isso e, obviamente, qualidade do jogador!

Pouco interessa o valor da cláusula, interessa que o negócio seja do interesse de todas as partes, do Sporting, do jogador e de quem compra. E no passado, o Sporting era muitas vezes lesado!"

Importante mesmo é que fica o sinal que, pelos vistos, Bruno de Carvalho não faz tudo mal, nem tudo bem, mas os risos do passado nesta temática fazem-nos agora sorrir de uma forma mordaz. 

Sem comentários: