quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

Vitória FC 0-6 Sporting :: exibição notável!

foto: Gualter Faria

A deslocação a Setúbal era importantíssima porque um Sportinguista quando festeja uma vitória, como a de sábado passado, é logo criticado porque não vence o título há 13 anos e porque "andam logo todos inchados". Desejam-nos logo um tombo do tamanho do Burj Khalifa, em dose dupla, azul e vermelha, sempre prontos para nos chatearem, veja-se lá, porque estamos contentes porque o Sporting joga bem e vence. Logo, a nossa resposta só pode ser no campo...com vitórias!

Quando o 11 inicial foi anunciado, a grande surpresa foi a entrada directa de Bruno César para o lado direito. Uns concordaram, outros discordaram, ambos com argumentos possíveis, mas, tal como já escrevi noutras alturas, não tenho razões para duvidar das escolhas de Jorge Jesus. Pontualmente, até pode acontecer que discorde, mas no geral, quem lidera o grupo é ele, quem convive com os jogadores a 100% é ele, melhor que ele ninguém sabe como se encontra um jogador, principalmente na questões físicas e de capacidade de jogar na equipa. Acresce o facto de Bruno César ser uma aposta clara de Jorge Jesus.

O Sporting venceu, sempre o Sporting acima de tudo, mas há claramente mão de Jorge Jesus nesta vitória e de uma forma tão evidente que não há dúvidas da sua capacidade para colocar uma equipa a jogar futebol. Aquela mexida de Bruno César ali por volta dos 14 minutos da direita para esquerda valeu 1 golo do Chuta Chuta e uma 1 assistência para Slimani. Simples e eficaz.

Assistimos ontem aos melhores 90 minutos da época. Jorge Jesus até nem concorda, já lá vamos. Mas a verdade é que aos 45 minutos já era para mim evidente a exibição que estávamos a conseguir. Muitos compararão com o jogo do Benfica na Luz onde vencíamos por 3-0, mas, na minha opinião, diante do Vitória FC apresentámos um futebol de qualidade, a bola corrida e a passar por todos os elementos, a pressão em todo o campo e o mais importante foi ver o adversário sem conseguir reagir porque, simplesmente, não conseguia soltar-se da teia que o Sporting armou.

O jogo da Luz, a primeira parte, foi mais cínica e eficaz.

Na segunda parte, o terceiro golo foi, provavelmente, o melhor momento que se registou na Liga Portuguesa. São 22 segundos de posse de bola, recuperada na nossa defesa, que passa por quase toda a equipa e termina na cabeça de Slimani após assistência de Ruiz. Um autêntico hino ao futebol!

Slimani fazia o seu segundo golo na partida e o 15º da época. Atingia a marca com que fechou a época passada. A prova que, efectivamente, há jogadores que com Jorge Jesus rendem mais, muito mais. Não é só mérito do treinador, porque Slimani é um jogador que trabalha, e muito, não desiste dos lances, que até fez a sua birra no Sporting, por dinheiro, mas que em certa medida poderá ser justificada e no entanto foi bem resolvida pela Direcção. Talvez Carrillo pudesse ter aprendido alguma coisa com ele.

O peruano tem feito do Sporting um casino. Apostou no vermelho e tem saído preto. Consecutivamente preto.

A vitória é clara, expressiva, inequívoca, mas vale apenas 3 pontos e não "conta mais por termos feito 6 golos", dizia JJ no final do jogo. Ainda acrescentou, "não foi a melhor exibição do Sporting, já fizemos jogos com nível de dificuldade maior mas com a mesma qualidade e portanto valem mais", referindo-se ao jogo que fez na Luz.

Não se esqueceu de referir que o Sporting não é principal candidato ao título, "estamos à 16ª jornada...faltam muitos jogos, esta equipa não tem experiência de andar em primeiro lugar, como Benfica e do Porto têm" e foi avisando que vive obcecado pelos rivais, "continuo obcecado pelo Benfica, pelo Porto, pelos rivais, perceber os valores, como eles jogam e perceber o que é o seu jogo"

Curto e simples no final do jogo a colocar alguma água na fervura. O Sporting não ganhou nada mais que 3 pontos e uma liderança reforçada agora para 4 pontos.

O importante?
Encher Alvalade no domingo contra o Braga, porque, "eu quero ir à bola ao domingo à tarde, não quero ver na tv"!

Sem comentários: