segunda-feira, 28 de março de 2016

Da entrevista de Bruno de Carvalho: eleições e Jorge Jesus


Da entrevista que ontem Bruno de Carvalho concedeu ao jornal A Bola, são, na minha opinião, apenas dois assuntos relevantes e que merecem ser referenciados.

Não há muito a dizer nesta altura, com o futebol interno parado, sobre os três anos de Presidência já tudo (praticamente) foi dito.

A primeira refere-se à recandidatura. Obviamente, seria um passo natural e desejado. Pelo próprio e pelos seus apoiantes. A medida do seu sucesso, como o próprio admitiu, é o título de campeão nacional no futebol que ainda não conquistou, no entanto, o que de muito bom tem feito no clube, é suficiente para que possa encarar as eleições com optimismo.

Nessa entrevista, destaco o que o jornal A Bola considerou como positivo neste seu mandato:  o Pavilhão com data de inauguração para Março de 217, o regresso do Hóquei ao escalão principal e aos títulos, o Ciclismo, a contratação de Jorge Jesus, as inúmeras renovações bem executadas, o Acordo com a NOS, a Reestruturação Financeira, os Troféus, ainda que poucos, que foram conquistados, nomeadamente a Taça de Portugal e Supertaça no futebol, as Assistências em Alvalade que vão a caminho do melhor de sempre na história do clube no novo estádio, a materialização da Sporting TV e a Expansão da marca Sporting.

São bons argumentos para começar, espero eu que só a partir de Maio e sempre nos locais apropriados, uma campanha que será longa e que já contará com a oposição de Rui Morgado, ex-vice presidente da AG da SAD e que esteve com Bruno de Carvalho, e, supostamente, Nuno Fernandes Thomaz que esteve na lista de Pedro Baltazar.

Venham os debates democráticos e a discussão de ideias. Quem ficará a ganhar será sempre o Sporting.

O segundo assunto relevante que na entrevista foi focado é a continuidade de Jorge Jesus. Não está, segundo o Presidente, em causa a continuidade do treinador de acordo com o título ou não conquistado. 

O problema é que Jorge Jesus é inconstante e sabemos que, profissional da bola como é, se surgir uma proposta altamente vantajosa do ponto de vista financeiro e um clube de topo, não irá, obviamente recusar.

Jorge Jesus tem as condições que poucos treinadores nos últimos ano em Alvalade tiveram. A estabilidade que encontra no clube, em parte devido ao trabalho de Bruno de Carvalho, é absolutamente essencial para conseguir atingir o tão desejado objectivo, que é como quem diz: título de campeão nacional.

Sem comentários: