terça-feira, 1 de março de 2016

Vitória SC 0-0 Sporting :: subimos as muralhas, não entrámos no castelo!


As idas a Guimarães são sempre deslocações revestidas de grande dramatismo. É uma cidade que alberga um clube com adeptos que são mesmo fanáticos pelo Vitória. Tal como eu sou do Sporting. Recebiam o líder do campeonato, depois de terem conseguido um bom resultado no derby minhoto em Braga na semana passada e estavam, de certa forma, motivados.

O Sporting não venceu. Merecia, fez por isso, mas o futebol é, e sempre será, bola lá dentro da baliza dos guarda redes. As oportunidades foram mais que suficientes para sair do D. Afonso Henriques com a vitória, onde se celebrou, a bom celebrar, a conquista de 1 ponto por parte deles. Isso diz muito do Sporting que actualmente visita qualquer estádio do país.

Jorge Jesus fez algumas alterações relevantes, umas por lesão, outras por opção. Em Guimarães apresentámos um quarteto defensivo deveras diferente do início de época e que poucos poderiam vaticinar: Marvin, Coates, Semedo e Schelotto. A defesa esteve impecável, o Vitória rematou, que me lembre, uma vez à baliza e na segunda parte à figura de Patrício.

No meio campo, apesar da ausência de Adrien, voltámos a ter William Carvalho no seu estado natural. Não houve bolas perdidas, foram recuperações em barda, diria que os pequenos problemas que foram afectando a equipa, foram sendo resolvidos ao longo dos 90 minutos. 

Gelson não entrou bem e a primeira parte foi instável, na segunda acabou por ser substituído e dá a sensação de estar a passar uma fase menos boa, apesar de alguma titularidade.

Recupero a posição de Adrien em campo. Não jogou por lesão e não foi pela sua ausência que não tivemos grandes oportunidades, mas o trabalho criativo só passou por Ruiz. A importância de Adrien na equipa é visível, constrói, distribui, acalma o jogo quando é necessário. Repito, não foi pela sua ausência que as oportunidades não existiram, mas em certos momentos do jogo, quando havia necessidade de pensar com a cabeça levantada, faltava lá para equilibrar a transição entre o meio campo e o ataque.

Uma nota para Ruiz. Era interessante engessar aquele pé esquerdo e colocar no museu do Sporting. Aquilo é de uma brutalidade absolutamente incrível. Faz o que quer da bola, dribla os adversários como quem está a beber um Guaro. Que honra!

Por fim, faltou Slimani no jogo. O nosso ataque ressentiu-se disso. Estava nervoso, por vezes trapalhão em lances que não costuma falhar. Quero acreditar que estava com algum receio de ver o amarelo. Porque ficava de fora de um jogo importante na próxima jornada, por outro lado porque tínhamos em campo um árbitro fraco e sem capacidade para agarrar um jogo desta natureza (sem casos, diga-se de passagem).

O Sporting não venceu. O Sporting continua líder e recebe o segundo classificado em Alvalade. Se não somos nós a acreditar num Sporting campeão, quem será?

Em Frente Sporting!

1 comentário:

Luis Gregorio disse...

Parabéns...um resumo do jogo da parte de um Sportinguista e não falou no Benfica...mas...lá tinha que vir o senhor arbitro para justificar o azar de perder um ponto!
Tenho pena que o Slimani não tivesse esse cuidado com os cotovelos em certos jogos!
Até amanhã (5 de Março de 2016)