sábado, 12 de novembro de 2016

A questão do 23º título por outro prisma!


Tenho estado um pouco à margem da discussão do número de títulos que o Sporting reclama. Principalmente, e já o disse aqui, pela forma como tudo tem acontecido, não gosto de discussões unilaterais e onde se assume que se está completamente certo sem direito a discussão. Claro que há outra coisa que me irrita, o facto da Federação Portuguesa de Futebol (ou Liga Portuguesa) não dizer absolutamente nada.

No entanto, continuo a achar que o Sporting poderia ter dirigido este assunto de outra forma. O que me leva ao texto desta semana do Pedro Figueiredo no nosso jornal. Já apreciava o estilo do Pedro quando era jornalista da A Bola, e a discussão dos títulos é retomada por ele num artigo bastante interessante e que deixo algumas passagens aqui neste post.

Como começa bem o Pedro, "sem querer reescrever a história - antes revisitá-la -, vai explicar-se ao longo destas linhas os incontornáveis factos que garantem o verdadeiro número de títulos conquistados pelo Sporting".

Retomemos o questão fundamental, os quatros títulos de campeão que estiveram em disputa entre 1934 e 1938, fase em que houve Campeonato de Portugal em simultâneo com as Ligas da 1ª e 2 ª divisões.

Surge então o dado adicional no artigo do Pedro Figueiredo, no livro comemorativo das bodas de diamante da Federação Portuguesa de Futebol, intitulado "1º Centenário do Futebol Português", edição de autor da própria FPF:

"A FPF promoveu a disputa dos campeonatos da Liga 1ª e 2ª divisões de 1934/35 a 1937/38 em "poule" - que, todavia, nunca substituíram os Campeonatos de Portugal realizados naquelas mesmas épocas. Foram bem aceites como experiência para um futuro melhor, mas nunca se sobrepuseram aos Campeonatos de Portugal, pelo contrário, como a sua própria regulamentação nos mostra, colocando as ligas em plano de subalternação da prova principal".

O autor cita uma acta da FPF:

"Analisada a questão [aspecto financeiro - equilíbrio entre despesas e receitas, bem como as deslocações - e aceitação do público da recém criada liga], ponderados os prós e contra, a direcção federativa aprovou o regulamento e decidiu, finalmente, organizar os campeonatos da Liga, deixando bem expresso em acta...Ficou resolvido promover a título experimental os campeonatos da Liga, 1º e 2ª divisões, sem prejuízo dos campeonatos distritais, nem do Campeonato de Portugal"

No livro são várias as passagens onde, Henrique Parreirão, se refere ao Campeonato de Portugal como a maior prova de futebol em Portugal, "se isto não bastasse para provar a maior importância do Campeonato de Portugal...",  explicando ainda que o Campeonato de Portugal cede o seu estatuto aos Campeonatos nacionais, "passando mais tarde o testemunho".

Fiquei também a saber com a reportagem do Pedro Figueiredo, que Jaime Pires, sócio do Sporting, em diferentes Assembleias Gerais e mesmo nas páginas do Jornal do Sporting, há muito reclamava pela reposição desta verdade. Em 10 de Setembro de 1980, escrevia-se no jornal do Sporting, "Contra os equívocos intencionais. O Sporting conquistou agora o 19º campeonato nacional e não pela 15ª como aquele jornal disse, mais uma vez".

Ora, era mesmo por esta via que o Sporting deveria ter começado esta luta. Explicando as suas razões, obrigando que de alguma forma a FPF terminasse com este assunto de uma vez por todos. Numa discussão alargada e não unilateral!

O artigo do Pedro Figueiredo no jornal do Sporting é um bom exemplo disso!

6 comentários:

Manuel disse...

Porque é que a FPF devia comentar um facto consumado? O facto de um maluco dizer o contrário não é razão para haver desmentidos. A FPF não existe para desmentir loucos.
Não faltava mais nada, então os malucos do Julio de Matos começavam a lançar atoardas e os organismos públicos tinham a obrigação de fazer desmentidos públicos?
A demência elevada à "N" potência! Por uma questão de decência tem a obrigação de se esconder dos olhos do público!

Tiago Santos disse...

Boa tarde.

Acho sinceramente que a questão é mal analisada de parte a parte e esses artigo até ajuda a festa.

O sporting quer o 23 que ? Dizer que foi o clube que 23 vezes ganhou a máxima competição em portugal isto até pode ser.

Agora de resto nesta competição desde a sua criação em 1934 até hoje o sporting tem 18 lá no seu museu. O troféu continua a ser o mesmo tudo igual. Ora como podem dizer que tem 22 destes se não os têm?


Se foi a criação de algo novo e é isso que celebramos a vitoria hoje em dia porque querem somar uma competição anterior ?? Ela tá lá contabilizada à parte sem ninguém tirar nada ao Sporting.

Agora qual das duas era mais importante em 1934 isso já é discussão para mangas, com vários argumentos para os dois lados.

ATF disse...

Nesse caso, toca a remover Peyroteo como o melhor marcador de todos os tempos do Campeonato nacional, ou seja, se aquelas 4 ligas foram experimentais e não contam para apurar o Campeão, também não contam para apurar os golos oficiais (passam a ser todos eles experimentais) e assim passa a ser o Grande Eusébio da Silva Ferreira o melhor marcador de todos os campeonatos em Portugal seguido de Fernando Gomes, do F C Porto. Toca a ir ao museu desfazer esse título do Peyroteo ;).

Bancada de Leão disse...

Caro Manuel,

O facto não é consumado, é contestado. Não é um "maluco" que o diz, é o Presidente do Sporting, que fez algo que o Benfica no passado também, por exemplo tinha feito. Mesmo que eu não concorde com o meio como está a ser feito, há dúvidas bem legítimas que foram levantadas e devem ser discutidas. Simples.

Tiago,

Não percebi essa do troféu ser igual...

ATF,

Não vejo a relevância do Peyroteo para esta discussão.

Manuel disse...

Então se os campeonatos a que apelidaram de "experimentais" fossem designados "aspiracionais" já contavam?

A denominação "experimentais" não é uma designação qualitativa, a competição é igual a todas as suas sucedâneas até aos dias de hoje, foi apenas um termo utilizado para designar algo que não tinha sido experimentado antes e que carecia de prova de qualidade financeira e de atração dos adeptos.
Por isso, a discussão, que não passa de demagogia barata, ao nível de um vendedor de banha da cobra de uma feira ambulante, deve ser pura e simplesmente ignorada.

Quanto ao vosso presidente, ele já deixou de ser visto, pelo menos por mim, como uma pessoa mentalmente sã. Eu acho-o com fortes tiques de psicopatia e tendências psicóticas e mais não digo. Por isso, chamar-lhe louco parece-me natural. Há quem lhe chame pior dentro do clube.

E digo mais, está a dar cabo do clube financeiramente, ele e o JJ. As consequências desportivas que não se vislumbram ainda, virão depois. Olhem para o que está a acontecer no Porto. Vão por mim.

RG disse...

"E digo mais, está a dar cabo do clube financeiramente, ele e o JJ. As consequências desportivas que não se vislumbram ainda, virão depois. Olhem para o que está a acontecer no Porto. Vão por mim."

Este vão por mim é porque conhece a fundo a condição financeira do SLB pós JJ e com LFV?

BdL,

A forma pode não ser correcta, mas a razão está lá!

"Se foi a criação de algo novo e é isso que celebramos a vitoria hoje em dia porque querem somar uma competição anterior"

Porque a competição anterior é que apurava o campeão. Indo por esse prisma se calhar é melhor contar campeonatos da seguinte forma:

1- Organizados para experiência
2- Organizados pela FPF
3- Organizados pela LPFP