segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Benfica 2-1 Sporting :: falta de eficácia!

foto: NurPhoto

Não gosto, nem nunca gostarei, de falar das boas exibições da equipa e ficar agarrado à ideia que, apesar de jogarmos melhor, merecemos a vitória. No futebol contam as que entram dentro da baliza, a eficácia predominará sempre sobre as oportunidades falhadas. O Benfica marcou dois, o Sporting apenas o fez por uma vez, o Jorge Sousa, que continuo a achar o melhor árbitro português, teve um mau dia com influência directa no resultado.

O Sporting chegava à Luz com a hipótese de saltar para a liderança. Sai da lá no terceiro lugar. Numa semana que vê um dos objectivos primordiais para a grandeza de um clube como o nosso ficar para trás. O que leva à questão, valeu a pena ir à Polónia sem fé para continuar na Europa e apostar tudo na Liga Portuguesa? Não. Nunca valerá para mim, como já o disse no texto da quinta feira passada!

A exibição que fizemos na Luz foi muito positiva, é um facto. Mas, tal como já tinha acontecido na Liga dos Campeões, e até noutros jogos do Campeonato Nacional, não é admissível que uma equipa falhe tantas oportunidades em jogos com adversários de qualidade, e que, num dia bom, marcam praticamente as oportunidades que tiveram, casos como Real Madrid, Dortmund e Benfica.

Em oito minutos de jogo da primeira parte, o Sporting viu Bryan Ruiz falhar um cabeceamento sozinho na área, depois Bas Dost a falhar uma emenda, também sozinho, e num contra-ataque fulminante do adversário, no tal lance precedido por duplo toque com a mão, desenrolar-se a jogada do golo, um bom golo diga-se de passagem, que permitiu ao Benfica acalmar, esperar pela reacção do Sporting e perante esse cenário deixar o jogo fluir. A primeira parte resume-se nestas linhas.

A segunda metade do jogo começa com uma substituição que não se percebe. Compreende-se a entrada de Campbell, a justificar cada vez mais a titularidade no Sporting, não há explicação para a saída de Bruno César deixando em campo Bryan Ruiz.

Sou fã do jogo do Costa Riquenho Bryan Ruiz, mas está a anos luz da qualidade já demonstrada de leão ao peito. Assim sendo, o banco é a melhor solução.

Voltando ao jogo, Coates quase fazia asneiras logo no primeiro minuto do segundo tempo, Bas Dost responde na outra baliza e atira ao poste. A sorte, também, não queria nada connosco.

No contra golpe o Benfica fazia o dois zero. Quase impossível ser mais eficaz.

O Sporting continuou a assumir as despesas do jogo, chegou mesmo a ter 60% de posse de bola, 14 remates, quase o triplo do Benfica, mas nada corria bem, ora porque havia desacerto ofensivo, ora porque do outro lado Ederson mostrava que pode estar a caminho da titularidade da baliza da Selecção Brasileira.

Campbell que apenas jogou meia parte e, provavelmente, foi o melhor jogador do nosso lado, assistiu aos 68' Bas Dost que na área de cabeça colocou a bola no fundo das redes do Benfica.

O Sporting tinha chegado, merecidamente, ao golo, havia ainda a esperança de tentar o empate. Até aos 90 minutos, porém, a entrada ineficaz de Alan Ruiz e a incompreensível substituição de André por Bas Dost não resultaram em nada positivo ara o nosso lado. Isso e a subida no campo do Benfica, que mesmo sem rematar, soube defender o resultado conquistado.

Perdemos um jogo que, na minha opinião, custa perder, ficámos a 5 pontos do líder, não digo que estamos a arredados do título, mas não estando a jogar com a qualidade desejável, e que já vimos no passado, a situação não é fácil.

Sabendo que financeiramente há rigor a manter nas contas do clube, era preciso fazer alguns ajustes no mercado de inverno, que as saídas de quem nada tem nada ao clube sirvam para colmatar as evidentes lacunas que estão à vista de todos!

Sem comentários: