quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Quem está no poleiro não quer mudanças na arbitragem!

No recente derby que se disputou no estádio da Luz houve lugar, infelizmente, a más decisões da arbitragem, na minha opinião com influência directa no resultado. Não quero com isto dizer que foi concertado entre Benfica e Jorge Sousa, e até quero deixar de lado esta teoria de domínio por parte do nosso rival da arbitragem portuguesa. Que domínio concertado!

No segundo programa do podcast #Sporting160, que agora tenho vindo a fazer parte como convidado residente do João Castro abordámos o futebol em campo das duas equipas. Não houve tempo para falar da arbitragem mas não queria deixar passar em claro algo que para mim é essencial.

O futebol português tem, na sua generalidade, maus árbitros. É uma classe que precisa, urgentemente, de medidas de fundo que ajudem a credibilizar não só a sua profissão, como a recuperar de um estigma que há anos carrega consigo, o da corrupção. Fruto, principalmente, de uma certa época em que as escutas do Apito Dourado não foram capazes de condenar ninguém. Onde os que hoje estão lá em cima tanto reclamavam e agora tudo parece um mar de rosas.

A arbitragem portuguesa só irá melhorar, se, de uma vez por todas os principais clubes portugueses concertarem posições e deixarem de lado certas rivalidades. E, verdade seja dita, quem em 2013 quis que essa discussão fosse alargada e de referência em Portugal foi Bruno de Carvalho.

Foram, aliás, vários os momentos em que isso ficou bem demonstrado pelo Presidente do Sporting. Em Dezembro de 2015, quando convidou o Benfica para essa discussão, e ficou sem resposta, o vídeo árbitro, as propostas de alterações legais apresentadas em 2014 e o célebre documento apresentado pelo Sporting em Janeiro de 2014.

O que ouvimos do outro lado sempre que se falou em alterar o estado da arbitragem em Portugal? Que somos "calimeros", "quem não chora não mama" e por aí fora.

A verdade é que o tri-campeão nacional não tem, nesta altura, intenção de discutir ou mudar algo na arbitragem nacional, como quereria em certas alturas e todos se recordarão das inúmeras entrevistas de João Gabriel sobre o assunto, e o Porto, com os problemas internos que vai tendo, arriscando-se a ficar mais de 4 anos sem ganhar nada, tem estado apático porque, por um lado sabe que o tempo da "fruta" não voltará, por outro, não é fácil encontrar uma nova via com acesso a Calheiros e afins, é mais fácil quando se vence!

Claro que poderia haver ainda uma outra forma de alterar a arbitragem em Portugal, os restantes clubes, que não os 3 grandes, com a força que podem e devem ter, quanto mais não seja pela importância das suas posições no campeonato nacional, assumirem a dianteira de uma discussão que os afecta e muito. Mas, pelo que vejo, assobiam para o lado!

A arbitragem em Portugal não toma outro rumo porque, quem está no poleiro, seja nos orgãos de decisão, seja na liderança da modalidade em Portugal não quer. Foi assim com o Porto, é agora com o Benfica. Mas, não acusem o Sporting de não querer fazer muito mais por uma classe que continua todos os dias a ser descredibilizada e aparentemente gosta. O Sporting desde 2013 tem sido activo nessa discussão. O resto é conversa!


Sem comentários: