domingo, 14 de maio de 2017

Feirense 2-1 Sporting :: por favor, calem-se!


Um adepto Sportinguista, como eu e tantos outros, vive o clube muitas vezes de forma irracional. A semana passada foi dura, porque contava vencer ao Belenenses e mantinha a esperança de chegar, quem sabe, ao segundo lugar.

Perdemos de forma miserável. Uma equipa sem atitude, sem garra. As desculpas vieram pelos senhores do costume, algo que nos últimos anos não estou habituado, com esta Direcção. Não me conformei, fiz algumas críticas, mas não foi fácil digerir uma derrota e preparar o fim de semana seguinte para mais uma deslocação aqui perto de mim.

De certa forma o Feirense quase me fez um favor ao colocar o bilhete a 20 euros. Mas a reacção é sempre a mesma, "filhos da puta querem ganhar dinheiro sempre à custa dos adeptos do Sporting", e depois durante a semana o bichinho vai crescendo e lá se faz mais um sacrifício, até que percebes que a tua mãe faz anos e tens de ir jantar lá a casa no sábado à noite. Problema resolvido!

Sábado de manhã acordo para um Dia de Sporting em que, previsivelmente, o futebol era o que menos importava. O futsal em Gondomar contra o Benfica, para a Taça, os juniores diante do Benfica em Alcochete, o andebol contra o Porto e só depois o jogo do campeonato nacional. Tudo transmitido na televisão!

Telefone a tocar e bilhetes para o futsal e o futebol em Santa Maria da Feira. Não dava, as unhas iam ser roídas em casa, onde se sofre muito mais. 

Das 15h às 22h foi sempre em frente ao computador e, algumas vezes, à televisão. Pelo meio uma pausa para respirar fundo quando decorria o andebol, e à hora do jantar o computador ao lado da mesa para não perder nada do que se iria passar em Santa Maria da Feira.

Não correu nada bem o dia, mas não podemos meter tudo no mesmo saco, e o que vi ontem foi uma crítica generalizada aos atletas do Sporting. 

Nós queremos sempre que o Sporting vença, nem dúvidas disso há. O futebol não tem feito por isso e há 15 anos que falhámos esse objectivo, já as outras modalidades vão sendo atenuantes para a frustração que vem, quase sempre, do mesmo lado.

O futsal está a sofrer de um medo cénico contra o Benfica que não se percebe. Em 4 jogos não os conseguimos vencer, apesar da incrível fase regular que fizemos. Nada está perdido no campeonato, mas a nível interno era para limpar tudo. Já não vai acontecer. 

Depois ainda vimos os juniores sofrerem o golo do empate aos 92' diante do Benfica. No entanto, e vi muitos anormais a criticarem os nossos rapazes que, por acaso, mantêm 6 pontos de avanço quando faltam 3 jornadas para terminar a prova e no próximo fim de semana já podemos ser campeões.


Seguiu-se o andebol. 

É, provavelmente, o desporto onde o Sporting entra que me deixa mais nervoso. Desta vez, e porque no jogo do Dragão tive alguns sobressaltos, decide também acompanhar outra máquina.

Precisávamos de vencer por 3, no mínimo por 2 e podíamos ser campeões a depender apenas de nós. Fizemos um grande jogo, foi um grande jogo contra uma grande equipa. Cometeu-se um erro estúpido a 5 segundos do final, isso dá que pensar como uma equipa destas é tão fraca psicologicamente. Às tantas não é difícil explicar tendo em conta o treinador que foi escolhido no início da época e o que se tentou remendar a partir daí.

Gorou-se a oportunidade de trazer de volta o título para casa, embora ainda possível, mas não consigo colocar o Andebol, Futsal e o Juniores no mesmo que o futebol!

O pior, em termos exibicionais, ainda estava para vir.

O estádio Marcolino de Castro não estava cheio. Obviamente, os adeptos Leoninos não entraram na loucura dos preços dos bilhetes praticados pela equipa da casa. Ainda por cima para ver, apenas, uma equipa a jogar.

O Sporting até esteve a vencer por 1-0, e vencer era o consolo para uma viagem que iriam fazer de Porto a Lisboa com a festa pela cidade com o Benfica (tetra)campeão. Incrível, isto só podia acontecer ao Sporting. 

Mas a cabeça, de quase todos, estaria por esta altura na praias fantásticas das férias de verão, nos resorts esplenderosos para as selfies e instagram stories, que têm direito, mas, depois de, no mínimo, serem profissionais dentro de campo. 

Aliás, se eu fosse o Gelson, Bas Dost e o Patrício, abandonava o Marcolino de Castro e preferia ir para o hotel ver a vitória do Salvador, a primeira de sempre de Portugal no Festival da Eurovisão.

O Sporting na época passada perdeu o título e lutou até à última jornada. Jornada essa que foi em Braga e estava um ambiente incrível de apoio. Não havia nada a dizer, só um pode vencer no final. 

Mas pelos vistos, pedir desculpas no Facebook é o novo "levantar a cabeça".

Na semana passada pedi silêncio. Silêncio para todos que têm de preparar a próxima época e, pelo menos, terminar esta de forma digna. 

Já nos bastou o episódio teatral do encontro no hotel entre direcções de comunicação, o ridículo comunicado, os ataques de Bruno de Carvalho aos adeptos do Sporting que não aceitaram que ele falasse à CMTV, principalmente após uma derrota (sim, o programa foi gravado, mas há formas de evitar tal cenário) e agora um jogo miserável, frustrante e que, provavelmente, não terá consequências.

Sinceramente, não sou de abandonar o Sporting nunca. Mas a última jornada em casa contra o Chaves merecia uma tomada de posição forte. Um estádio vazio era muito interessante, mas sou tentado a pensar que um estádio cheio de Alvalade, para mostrar que os adeptos nunca falham, calado durante 90 minutos era um sinal claro para quem anda a falar muito numa altura que se pede silêncio e trabalho!

2 comentários:

FOGACEIRO disse...

Qual é a diferença de um bilhete a 19€ em Santa Maria da Feira, para um Feirense — Sporting, e um bilhete a 18€ em Lisboa para um Sporting — Feirense? É como o titulo deste post: "Por favor, Calem—se!"

Bancada de Leão disse...

A diferença podia ser as condições do estádio, para começar, podia ser a lei da oferta e da procura, por isso é que tiveram a casa que tiveram, podia ser...tanta coisa.

O título não era para isso mas serve, agora, para isso!