terça-feira, 12 de abril de 2011

As promessas de Godinho!



As principais respostas de Godinho Lopes ao diário DN numa entrevista publicada hoje. Para discussão no presente e para memória futura!

"O empréstimo obrigacionista tem de ser revisto, neste momento não podemos amortizar esses 20M €, já o Valor Mobiliário Obrigatoriamente Convertível (VMOC) é um problema para 2015/2016...

Estar a renegociar nesta fase (com a banca por causa dos 13 M€) não é o melhor momento, mas é indispensável fazê-lo.

A prioridade é reposicionar o clube no que diz respeito aos sócios...É nossa obrigação tentar chegar aos 123 000 sócios da Era João Rocha.

Potenciando o património do Clube e fazendo parcerias na compra dos passes de jogadores e na reactivação do Fundo de 15M € que estava cancelado na Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), e fazendo acordos para o investimento na compra de novos passes, com parceiros e fundos já existentes. Um fundo leva tempo a ser recolocado e tivemos de arranjar parceiros fora do País para investir na próxima época. (sobre os 40M€ para o futebol)

Um fundo novo faz sentido dentro de 2/3 anos. Temos de comprar jogadores e colocá-los numa montra, nacional e internacional, e valorizá-los para depois fazer mais-valias na venda

Essa é uma área entregue ao Luís Duque e ao Carlos Freitas. Eles vêem as necessidades, encontram as soluções e depois falam comigo no que diz respeito ao investimento. É isso que tem sido feito, com calma, para garantir que cometemos a menor quantidade de erros possível. Se disser que não vou cometer nenhum erro na compra de jogadores estou a mentr, mas espero acertar 8 em 10... (sobre os reforços)

Não. O relvado não muda. A relva tem de estar o melhor possível, não pode estar mais ou menos, por isso já estamos a contratualizar a compra do equipamento de ventilação à superfície que era alugado e que vai resolver o problema.

As cadeiras verdes é um fait divers, eu quero é encher o estádio. O nosso objectivo é voltar a vender gamebox na ordem dos 34 000.

O valor global, já com a recuperação do multiusos, anda na ordem dos 12/13M €. Estamos a falar com a CGD, em duas semanas espero já ter essa garantia. (pavilhão)"

7 comentários:

Anónimo disse...

O que se pode tirar disto:

-Não querem saber das VMOCs, por agora (isto é mau porque vai dar chatices mais tarde ao Sporting);
-Volta as negociações com a banca, ou seja, mais endividamento;
-Boa meta a dos sócios, não vejo é como o vai fazer (falar é fácil);
-Parceria nas compras dos passes? Como o do Carriço que pertence ao Baltazar??;
-Afinal também pode ir buscar fundos ao estrangeiro, espero que não seja à Russia pois daqui nada pode vir de bom, já diziam os seus apoiantes;
-Realmente a dupla sabe trabalhar, mas saberá ele dar ou retirar o investimento em cada situação do clube?;
-Espero que esteja certo quanto ao relvado;
-Cadeiras verdes é para esquecer, já se está mesmo a ver...
-Com a banca, apostar na construção do pavilhão é suicídio, mas enfim, ele lá saberá...

André disse...

A minha opinião:

- As cadeiras é um fait divers? Discordo. Ainda bem que de repente o nosso equipamento principal não é cor-de-rosa ou qualquer coisa; é que por ele, este capítulo é fait divers, então. Classificar de fait divers, é demasiado.

- Então os "100 milhões" tantas vezes papagueados pela candidatura de Godinho Lopes? Ou os 50, que fossem. Pois, primeiro manda-se bojardas para o ar, depois é o ver se te avias. Já cansa isso.

- Acertar 8 em 10 reforços é para rir. Fica bem a declaração, mas já chega de encher o peito com coisas surreais. A começar com aquela antiga dos 100 milhões, como se vê.

André disse...

Já para não falar que vai totalmente contra esta notícia, que parece ser feita made in Sporting Clube de Portugal presidido por Godinho Lopes.

http://www.ojogo.pt/27-97/artigo921199.asp

Sporting continua na mesma senda: desinformação constante.

Pedro Varela disse...

Em relação à entrevista:

- Não me agradou nada a forma como se referiu às negociações com a banca, e fico espantado com a facilidade com que já fala em encontrar parceiros no estrangeiro. Mas a parte financeira da campanha de GL sempre mostrou esta fragilidade e ligação com os bancos permanente;

- concordo em absoluto com a campanha para angariação de sócios, o objectivo ambicioso que só poderá ser conseguido se, obviamente, tivermos uma equipa competitiva, portanto, o primeiro objectivo estará sempre dependente do que Freitas e Duque conseguirem fazer;

- Fico contente com a solução do relvado;

- As cadeiras verdes são um fait diver, mas que teve influência durante todo o período eleitoral, não espero que se cometam loucuras mas que se possa pelo menos verificar a viabilidade da medida;

- o pavilhão é essencial, e pelos vistos apenas esperamos o financiamento para avançar.

- dos reforços...em vez de atirar números para o ar...sendo certo que 8 reforços foi sempre falado por GL, o que se espera é que seja montada uma equipa competitiva, e certamente vamos esperar pelo final da época para ver com o que contamos.

SL

Paiva disse...

Este homem é um aldrabão, na linhagem da dinastia roquetista que continua a viver ás custas do clube para seu belo prazer. Burros sãos os velhos de Alvalade que, com os seus 300 mil votos continuam a votar nesta promiscuidade incrível a troco de interesses pessoas e que só continuam a prejudicar o clube.

G. Lopes = Aldrabão!!!

Nuno disse...

Afinal a dívida foi ou não renegociada pelo JEB? E quais os resultados? Mais tempo, menos juros, como é?...
Impressiona-me como uma instituição que move tanto dinheiro como o Sporting não faz o que qualquer cidadão faz: vai a vários bancos, recebe várias propostas de crédito, e depois faz a sua escolha... até parece que por cá só BES e BCP têm capital...

As cadeiras são um "fight-diver"... sinceramente, tou-me ####ndo prá cor das cadeiras... eu olho é para o que se passa na erva, não nas bancadas... e quando olho para as bancadas, é para ver decotes, não cadeiras...

Pavilhão... mais dívida... e falta ver quanto custa a manutenção!!!! (e há o pormenor de não dar para o hoquei, como já ouvi).

Reforços: compreendo que nesta altura não seja bom apresentar reforços, a bem do actual plantel. Vamos esperar... a serem verdadeiros os nomes avançados, penso que há ruptura com o passado. Mas, MAS, é preciso clareza, especialmente quanto a prémios, comissões e massa salarial.

Fundo e parcerias: não vejo mal ao mundo se um "xeque" árabe comprar um grande nome, e colocar no Sporting 2/3 anos, e no fim se dividirem as mais-valias... quanto ao fundo, percebo que, neste momento, com jogadores desvalorizados, não é o melhor momento para o criar... mas um fundo como o BC defendia (onde entrem reforços), já pode fazer...

Já agora, espero que a postura do Sporting no próximo ano seja menos passiva no que diz respeito a esta vergonha benfica-porto...

Anónimo disse...

Pedro,

Concordo com a tua leitura das promessas, feita aqui na caixa dos comentários. Deixo apenas algumas dúvidas/comentários:

(ponto prévio: é possível que, nao sendo entendido na matéria, cometa argoladas financeiras no comentário. agradeço correcçoes.)

1 - Na questao do financiamento diz 3 coisas: que nao vai rever o empréstimo obrigacionista imediatamente (nao diz quando nem porquê, pelo menos nao nesta entrevista), que teve que encontrar parceiros (nao explicando quem e os moldes da parceria, partindo do princípio que nao sao fundos de investimento) e que um fundo só faz sentido dentro de 2/3 anos (porquê?).

2 - Na questao dos sócios, estou convencido que nao é apenas com êxito desportivo que se amplia esta base. O Sporting nao tinha casas que duplicavam nos anos 90 as de hoje graças ao número de campeonatos que ganhava. O trabalho do marketing, do envolvimento do estádio e da gama de serviços oferecidos aos sócios e simpatizantes tem que ser muito bem trabalhado e potenciado, nao bastando cingir-nos ao principio de que haverá unicamente uma correlaçao directa e evidente entre exito desportivo e sócios.

3 - Parece-me absurdo pôr na mesma ordem de importância a cor das cadeiras e um pavilhao por exemplo. Seria importante, como dizes, ver se há condiçoes para mudá-las e quanto custaria. E a partir daí decidir, sem fazer disso, para mim, uma prioridade.

4 - A história dos reforços. Acho extraordinária esta visao do kinder surpresa: vou comprar 10, vamos lá ver se em 8 a surpresa é porreira. Como se nao dependesse de todo o enquadramento do futebol do qual, em última análise ele é responsável. Também é perigosa esta lógica (com a qual nao concordo) porque se a aplicasse aos responsáveis que escolheu para liderar o futebol profissional e a SAD, se calhar nao passavam no teste.

saudaçoes leoninas,
tiago