terça-feira, 5 de abril de 2011

Paulo Andrade à Academia Talentos



"Está a falar dos passados dezassete meses ou dos últimos quinze anos?
Estou a falar dos quinze anos. Eu não me posso esquecer que, quando a SAD foi criada, o Sporting Clube de Portugal era um clube financeiramente sólido. O passivo total do Sporting era inferior ao activo imobilizado do clube. Portanto, o clube respirava saúde financeira e não tinha qualquer problema de solvabilidade. Tinha problemas de tesouraria, como muitas empresas têm, mas isso vai-se pontualmente à banca para resolver esses problemas.

Estes anos, realmente, destruíram património no Sporting, destruíram valor no Sporting e o clube hoje está numa situação dificílima, algo que não estava há quinze anos atrás quando a SAD foi criada.

É evidente que foi um projecto que não resultou. Quando, em quinze anos, se consegue colocar um clube que já tinha oitenta e cinco anos de história no estado em que está, é evidente que ninguém pode estar satisfeito, nem mesmo aqueles que passaram esses quinze anos lá.

Portanto, o modelo tem que mudar, é natural que as pessoas tenham de mudar e é natural que a nova administração que vá para o Sporting pretenda meter caras novas. Acho que isso é muito importante: um novo projecto com caras novas. E, realmente, temos de lutar com muita contenção para conseguir ultrapassar um momento que é seguramente o momento mais difícil da história do Sporting Clube de Portugal, não tenho dúvidas nenhumas em afirmá-lo."

A entrevista tem muitos pontos interessantes, agora o que mais chateia é que quando lá estão, na estrutura, pouco ou nada reclamam, e cá fora, conseguem ser imparciais e ter uma visão clara de realidade. Assim tipo...políticos que deixam o activo!

Sem comentários: