segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Sporting 2-0 Belenenses

















Esta noite Alvalade merecia mais público. É uma pena que apesar de jogos à segunda feira à noite, mas com a equipa a corresponder da melhor forma a alguns dos propósitos para este ano, não consigamos mais de que 20 mil adeptos numa noite de Taça de Portugal num clássico intemporal do futebol nacional.

Mas apesar de "poucos", há que realçar a cumplicidade que cada vez é maior entre adeptos e jogadores. Claro que os resultados desportivos favoráveis ajudam a esta situação, mesmo com uma primeira parte sofrível, mas uma vitória justa, é impressionante viver autênticos momentos de união e apoio em torno da equipa. Nesse particular, tenho de admitir que o Sporting está de volta!

A noite havia de começar com um momento de homenagem a Artur Quaresma, um dos campeões do único título de campeão do Belenenses, e Alvalade mais uma vez na sequência daquilo que são os nossos reais valores, soube respeitar o minuto que se pedia perante tal acontecimento. 

O árbitro apitou e a partir desse momento foram 90 minutos a apoiar a equipa.

Claro que um jogo de futebol é dividido em duas partes, todos sabemos disso, e esta noite houve claramente o Sporting da primeira, displicente e pouco cativante, e o da segunda que cedo resolveu o jogo (e até poderia ter sido mais cedo, mal anulado o golo a Capel) acalmou as hostes e preparou a equipa para o descanso já a pensar na próxima jornada no sábado diante do Nacional.

Da primeira parte fica a nota para Domingos que colocar Bojinov a extremo não é solução. O jogador já de si está com dificuldades em adaptar-se à nossa equipa, à posição, preso de movimentos, se o colocam onde ele não rende, ainda pioram mais a sua condição. Não restará dúvidas que Carrillo entra de caras para aquele lugar no próximo jogo. Começa também a chegar o momento em que Rubio poderá ser solução em relação ao búlgaro!
















Da segunda parte fica o início de jogo que trouxe um Belenenses deslumbrado, até pelas duas oportunidades que teve nos primeiros 45 minutos, mas que esqueceu-se que este é um Sporting diferente, que acredita nas suas capacidades independentemente do seu adversário, e que a qualquer momento a "laranja mecânica Leonina" pode fazer das suas.

Foi o que aconteceu!

Primeiro golo é fruto de uma triangulação entre Schaars, Insúa (que enorme cruzamento à medida) e Wolfswinkel. O holandês goleador a mostrar e a confirmar que não é só de grande penalidade que é "frio" na hora de finalizar. 

No segundo golo invertem-se os papéis, Wolfswinkel de costas para a baliza a receber a bola e a desmarcar o seu compatriota que num gesto técnico perfeito coloca a bola por cima do guardião do Belenenses. 

É chegada a altura de dizer que Wolfswinkel não só marca golos, como é inteligente na forma como recebe as bolas e cria oportunidades para os seus companheiros de equipa, como aconteceu no golo, mas também na forma como recepciona a bola, desmarca nas laterais os extremos e num ápice já se encontra na área pronto para finalizar, como aconteceu na primeira parte. É um jogador inteligente!

Houve tempo ainda para as entradas de Arias e André Martins. Estão a crescer, com calma e há que deixar de lado os histerismos, principalmente no que concerne ao médio português. Percebe-se que há ali qualidade, vamos deixá-lo crescer e acreditar que estamos perante um novo valor para a nossa equipa.

Vitória justa, sem poder ser colocada em causa, próxima eliminatória garantida em casa contra o Marítimo no próximo dia 21 de Dezembro. Nesse dia há que voltar a ser competente, porque foram os únicos a derrotar-nos em casa e porque eliminaram o nosso rival. Mas a seu tempo, voltaremos ao assunto.

1 comentário:

Anónimo disse...

Grande SCP, mitica Juve Leo old style.

http://i.imgur.com/U8Dme.jpg

Macaco eusebio