domingo, 8 de janeiro de 2012

Alguns apontamentos do clássico Sporting-Porto
















Todos esperávamos uma reposta do Sporting ao momento menos bom destas últimas semanas. A prova que se acreditava numa vitória foi a enchente que Alvalade registou e já merecia há mais tempo. O empate pode ter sido o resultado justo e aceitável, mas uma equipa que falha 3 oportunidades de golo flagrantes num jogo que se percebia que marcar dava a vitória, só se pode queixar de si.

Falar do árbitro neste jogo é ser mesquinho. Foi um jogo em que o árbitro errou para os dois lados sem interferência directa no resultado. Houve quem o fizesse, levou a resposta adequada.

Destacar ainda os adeptos. Que festa se viveu em Alvalade. Não são só os números, essa realidade objectiva, são os momentos que se viveram de confraternização com adeptos de todos os cantos do país. Alguns amigos de longa data, outros conhecidos ali no momento em que discute a equipa, alguns na estreia da visita ao nosso estádio, de diferentes "credos e partidos" e todos com a confiança que o ambiente mudou. Pelo menos naqueles momentos antes do encontro, discute-se futebol e deixámos as "políticas" para depois!

Quanto ao jogo. Disse-o de tarde a alguns amigos que Renato Neto para mim era titular, num mero palpite de sorte. Claro que analisado à posteriori é fácil, e fosse agora preferia que tivesse entrado noutra altura do jogo. Schaars quando recuou para essa posição foi o nosso melhor período. Já passaram por lá André Santos, Carriço e agora Neto, este último, foi o melhor. Sem inventar, mas algo nervoso e percebia-se isso. Não está fácil substituir o argentino Fito!

Mas não é por essa razão que o nosso meio campo continua a não ser pressionante. Desde que Rinaudo saiu, que não fomos ainda capazes de reorganizar o sector intermediário, por forma a evitar que as transposições defesa-ataque sejam invariavelmente efectuadas pelos defesas. Há imenso espaço entre a defesa e os homens que devem transportar o jogo. Elias tem de alargar a sua área de acção, o brasileiro tem de render muito mais e nós já vimos isso esta época!

O Sporting tem actuado quase sempre em 4-3-3, este é o plano A, mas sente-se a necessidade cada vez maior de ter um plano alternativo tão dinâmico e trabalhado que permita rapidamente adaptar o nosso jogo quando se dão os "desaparecimentos" de Capel ou Carrillo, e entram Matías e Izmailov, como foi ontem o caso. Essa necessidade que tem sido implementada em alguns jogos, tem de ser tão natural como as substituições que são efectuadas. 
















Voltar ainda a Marat, o Russo ontem proporcionou-me os momentos mais complicados da noite. Primeiro com aquela oportunidade falhada. Sentei-me na cadeira desolado, o nosso caça-dragões ontem podia ter sido o herói. O segundo, quando se agarrou à anca esquerda após 30 minutos de qualidade futebolística, que tanto nos faz falta, e que o fará regressar ao ginásio. É uma pena se ele não conseguir voltar a atingir o nível a que nos habituou. Estas lesões estão a destruí-lo aos poucos!

Claro que estamos a passar um momento de dificuldade, principalmente na finalização. As oportunidades desperdiçadas nos últimos 3 jogos eram suficientes para conseguir vitórias em todos eles. Wolfswinkel passa um momento complicado, não há dúvidas, e já que Bojinov e Rubio não parecem contar para Domingos, a ver como será com Ribas. Precisamos de alternativas para desacertos temporais como os que estão a acontecer. Mas não vamos fazer já do holandês o "bode expiatório" para explicar o desaires.

Destacar ainda as exibições positivas da noite. Patrício, que a cada dia que passa mostra o porquê de ser o melhor guardião nacional e porque corre para a titularidade no Euro 2012 e provavelmente para a transferência no verão. E Onyewu que certamente já calou os mais cépticos, mas mesmo aqueles muito cépticos!

Agora é esperar que quarta feira o mítico vulcão verde e branco regresse para o jogo da Taça. São 3 jogos em 8 dias e ainda há muito para vencer!

3 comentários:

reflexivoleonino disse...

Concordando com a generalidade do artigo e com a nossa falha nos momentos cruciais do jogo, não percebo como possa ser mesquinho sublinhar uma arbitragem que perdoa uma expulsão claríssima que devia ter acontecido duas vezes (a falta sobre Carrillo é vermelho directo e a falta em cima do apito sobre Wolfs é para segundo amarelo) e impede duas ocasiões limpas de golo com foras-de-jogo oferecidos.

Seja como for, quarta-feira há festa da Taça e é para ganhar!

SL

Bancada de Leão disse...

Referia-me ao facto de Vítor Pereira ter falado disso, num jogo destes da forma como o fez, e da belíssima resposta do Domingos.

SL

manuelantonio disse...

So um peuqeno aparte: tanto o Sporting como o porto jogam em
4-5-1, não jogam em 4-3-3. com quatro defesas, cinco medios e um ponta de lança.