sábado, 10 de dezembro de 2011

Sporting 1-0 Nacional

imagem: Sporting















Que grande ambiente em Alvalade. Ultrapassados os 40 mil em casa, esse número tão em voga, a equipa poderia corresponder da melhor forma e presentear os adeptos com uma vitória. Foi o que aconteceu, sofrida mas inteiramente justa. Um gigante, um verdadeiro capitão das américas, nas alturas respondeu da melhor forma a uma das inúmeras oportunidades que tivemos na primeira parte para marca e e descansar os adeptos!

A dúvida para este jogo estava na escolha do substituto de Schaars, castigado para esta partida, e que para quase todos os adeptos não havia dúvidas que André Martins seria o eleito. Assim foi, com uma exibição personalizada, denota muita inteligência no jogo. 

Carrillo foi titular na direita, Capel na esquerda e na frente Wolfswinkel fechava o 4-3-3 que era comandado no meio campo por Elias, o melhor elemento em jogo.

O jogo desta noite foi dividido em 3 partes. Uns primeiros 20 minutos de grande intensidade, principalmente do lado do Sporting com as movimentações muito fortes nas alas, o Nacional ía respondendo como podia, e que naturalmente resultou no primeiro da partida para o Sporting. Onyewu de cabeça a corresponder da melhor forma a um desvio de Insúa, a que o guardião do Nacional já não conseguiu chegar nas alturas.

Seguiu-se um período de menor velocidade no jogo, o Nacional começava a encaixar melhor as suas peças no sistema de jogo do Sporting, e à falta de resolução do jogo da nossa parte, a equipa Madeirense chegou mesmo a enviar uma bola ao poste, Patrício fiou-se pelo golpe de vista. Chegou-se ao intervalo com o resultado numa vantagem magra mas aceitável pelo que o Sporting produziu nestes primeiros 45 minutos.

O terceiro período de jogo marca o crescimento da equipa do Nacional, mais desinibida, percebendo que o Sporting não conseguia marcar, houve momentos que os nossos jogadores queriam entrar com a bola pela baliza dentro. Não marcávamos e atrás havia algum pânico. Fosse ano passado, por exemplo e porque aconteceu, este tipo de jogo com que se esteve durante os primeiros 20 minutos da segunda parte, provavelmente eram suficientes para sofrermos um golo. Patrício em grande forma, a mostrar o porquê de ser o melhor guarda redes da actualidade, foi evitando que isso acontecesse.

O Sporting seguia na frente do marcador com uma vantagem magra, Capel apesar de não levantar a cabeça as vezes que devia, lá ia conseguindo desconcertar os jogadores do Nacional, suficiente para os colocar a jogar com 10. Não há-de faltar muito para se começar uma nova teoria na comunicação social e afins sobre o facto de jogarmos tantas vezes contra 10. A resposta é simples, em vez de darem porrada nos nossos joagdores, joguem à bola!

Não desistiu ainda assim a equipa insular, mas o Sporting já com Arias e André Santos em campo poderia e deveria ter arrumado com o desafio.

Não o fez, mas a vitória também já não iria fugir de Alvalade. No dia dos núcleos e do apoio incansável dos adeptos à equipa de futebol, esta foi mais uma vitória importantíssima, numa série de 4 jogos que encerra o ano 2011. Próximo jogo "passeio" até Roma com regresso por Coimbra antes de fecharmos em Alvalade. 

2 comentários:

Mike Portugal disse...

Quyer queiramos admitir ou não, o Rinaudo, o Matias, o Jeffren e o Izmailov fazem-nos muita falta. Imagina o que seria esta equipa:

---------- Patricio
J.Pereira Onyewu Polga Insua
---------- Rinaudo
-------- Elias Matias
Jeffren ---- Ricky -- Izmailov

Ainda tinhamos o Schaars, o Carrillo e o Capel no banco.

Pedro Varela disse...

Sem dúvida, com os jogadores lesionados outros planos de jogo teríamos.

SL