segunda-feira, 21 de maio de 2018

Sporting 1-2 Desportivo das Aves :: valeu pela amizade!



Parabéns ao Desportivo das Aves pela conquista da Taça de Portugal. Jogou melhor, mereceu vencer e a "maior Vila de Portugal" está em festa pelo feito inédito!

A festa da Taça é das melhores coisas que o futebol nacional tem. Um encontro absolutamente incrível com os 3 ingredientes necessários, amigos, comida (inclui a bebida) e futebol e obrigatórios para um dia que se recordará para sempre na vida, para o bem e para o mal, de um adepto de futebol.

A semana passada foi atípica. Em 42 anos da minha vida de Sportinguista nunca tinha vivido nada assim. Não tinha esperança alguma de ver a final de ontem. Porque não tinha bilhete, porque não conseguia adquirir um bilhete, porque os incidentes da Academia arrancaram uma parte de mim, da minha paixão pelo futebol, que me levava a equacionar tudo. Mesmo tudo!

Sobreviver à semana passada, pelo menos em termos anímicos, no que respeita à minha pessoa, era o primeiro passo para, quem sabe, ter a sorte de ainda poder ir ao Jamor. Aos poucos fui percebendo que o amor que tenho pelo Sporting ultrapassa aquilo que por vezes eu penso ser possível. Realmente, a grande questão é que ficámos cegos com o clube, a irracionalidade dispara, só queremos estar ao lado do clube, seja nas alegrias ou nas tristezas. Assim, o destino Jamor tinha de ser possível!

Felizmente, um dos ingredientes, os amigos, funcionou. Uma desistência foi preenchida com a minha vaga. Marcaria presença no Jamor.

Como tinha referido em cima, os amigos são essenciais nesta equação. Sem eles, o prazer de ver o Sporting, decresce um pouco. Não há nada mais fantástico que um dia inteiro a falar de futebol, a comer e beber, seguindo de uma partida de futebol. Com o aproximar de domingo, a "família" começou a juntar-se. Estava a preparar-se um dia que serviria, principalmente, para esquecer esta última semana, debatendo entre nós, entre diferentes correntes, o Sporting. Falar do passado, presente e perspectivar o futuro. Sempre com a mesma paixão.

Do Porto, saímos 9 Leões. Dois são habituais companheiros do podcast Sporting160, os outros são habituais amigos das deslocações, principalmente, nos jogos aqui no Norte. O meu primeiro agradecimento é para eles. Sem eles, tudo teria sido diferente e para pior. O segundo agradecimento é para as dezenas de pessoas que cumprimentei na mata do Jamor. Os amigos habituais que tenho em Lisboa (e não só) e os novos que fazem parte de família que vamos construído semana após semana de Norte a Sul passando pelas Ilhas. Obrigado a todos, é um orgulho ser vosso amigo. É um prazer que me concedem poder discutir de forma apaixonada o Sporting.

Quando chegámos ao recinto, já perto das 13h, estava preparado para esquecer tudo até ao apito final do árbitro. Obviamente, digo-o sem problemas, aliás, disse-o numa pequena nota a um jornalista do Maisfutebol, contava com a vitória e esperava "ter algumas horas para esquecer o momento que o clube atravessa e aproveitar a festa"

Assim foi até às 17h15. Porque a partir desse momento tudo mudou.

Enquanto não começou o jogo foi uma tarde onde se viveu o Sportinguismo e onde constatei aquela que é uma verdade insofismável que o meu amigo Zé tão bem costuma dizer, "enquanto houver Sportinguistas, o Sporting nunca acabará"

E acrescento que enquanto houver pessoas como o João, mentor do projecto Sporting160, tudo se fará para engrandecer o nome do Sporting com os meios que estão ao nosso alcance. Pelo Sporting tudo!

O meu Sportinguismo nestes dois últimos anos cresceu, coisa que pensava não ser possível, a viver semanalmente e intensamente os assuntos do Sporting com o João e o Zé, os convidados e todos os que nos ouvem e criticam. Este criticam é especialmente importante para o nosso crescimento. Obrigado a todos!

Poderia ter sido a tarde perfeita, dentro do possível. Mas a partir das 17h15 começou o pesadelo.

Começou logo tudo mal com a equipa que Jorge Jesus apresentou. Dois trincos para jogar diante do colosso Aves (com todo o respeito que me merece). Mesmo percebendo todos os problemas do Sporting durante a semana que antecedeu o jogo de ontem, neste final de época o Sporting fez 3 jogos diante de Benfica, Marítimo e Desportivo das Aves. Tinha de vencer pelo menos 1 (Benfica em casa ou Marítimo) para o campeonato, marcou apenas 1 golo, e ontem para conquistar um título. Empatou e perdeu duas vezes com exibições sofríveis.

O modelo que Jorge Jesus implementou na segunda parte da época estava gasto, principalmente, ao nível das soluções enquanto alternativa. Os treinadores adversários, grande parte deles, percebeu isso. A par disso, os reforços do mercado de inverno não funcionaram e os que ainda foram parte da solução, na minha opinião, por exemplo Bryan Ruiz e Montero, não foram utilizados da forma mais adequada em detrimento das habituais escolhas, algumas inconsequentes. A teimosia de JJ foi um problema.

Claro que não podemos esquecer o que se passou durante a semana e a forma como tudo se terá abatido sobre os jogadores, tanto ao nível da cabeça, como, obviamente do treino e preparação do jogo. Os processos não se desaprendem, sabemos disso, mas não terá sido com a mesma vontade, não há problema em dizê-lo, e muito menos com a mesma capacidade emotiva, que estes entraram em campo para conquistar uma Taça que tenho a certeza absoluta que gostariam de vencer.

Isso faz-nos pensar a todos. Desde o Presidente, peça fundamental neste processo, até aos adeptos!

O balanço da época será feito a seu tempo, é preciso perceber como vão ser os próximos dias, mas, é certo, que uma época que poderia ser mascarada com uma possível vitória ontem, acaba quase por ser um falhanço se pensarmos a nível interno. A vitória na Taça de Liga é, pela importância do dinheiro no orçamento dos clubes, menos importante que o segundo lugar e uma possível qualificação para a Liga dos Campeões!

quarta-feira, 16 de maio de 2018

Violento ataque ao Sporting!



Criminoso
Um acto criminoso que mancha a centenária história do Sporting Clube de Portugal.
Não há outra forma de começar a falar sobres estes acontecimentos e é absolutamente necessário repudiar tudo o que se passou no dia de ontem. 
Por um lado é um assunto de polícia, que seguirá o seu trâmite normal e legal, apurando as responsabilidades e levando até às última consequências na penalização dos prevaricadores.
Por outro lado é um assunto referente ao Sporting, antes de ser um problema do futebol. Portanto, o Sporting terá de assumir as suas responsabilidades e punir, se for o caso, quem estiver ligado ao clube e estando associado a estes actos criminosos.

Sporting
É normal, e até natural, dizer-se que isto não é o Sporting. O que aconteceu ontem na Academia não é o Sporting. Percebo a analogia, mas não concordo com o que pode ser um descartar de responsabilidades. Como disse em cima, antes de ser um problema do futebol português, que também é, isto foi no Sporting, dentro das instalações do Sporting e os atacados eram jogadores e elementos do staff do Sporting. A responsabilidade em primeiro lugar é do Sporting. Saibamos perceber isso, como saibamos entender que o Sporting é muito mais que isto, certamente, ninguém tem dúvidas, como se percebeu pela manifestação que ontem acabou por acontecer à noite em redor do Estádio e do Pavilhão João Rocha.

Direcção
Na estrutura do Sporting, e todos os clubes em Portugal, o Presidente é a sua figura máxima. A declaração de Bruno de Carvalho após os incidentes, na minha opinião, não foi a mais assertiva. Quando ele se refere ao acontecimento como um ataque à Direcção, estamos a misturar as coisas. De tarde, em Alcochete, o que se passou foi um ataque ao clube. De manhã e outras tricas que vão acontecendo poderão ser analisadas como ataques à Direcção, agora, aquele episódio em concreto é um ataque muito claro ao nosso clube.
Devo dizer que não posso, nesta altura, dizer de forma certa e coerente que a demissão de Bruno de Carvalho seja o melhor caminho, não coloco de parte, no entanto, a necessidade de alterar uma situação que entre Presidente e um conjunto de jogadores que foram agredidos e que são activos valiosos do clube, vá partir pelo lado do responsável máximo. Não aceito que isto seja transformado entre os que estão indefectivelmente ao lado dele e os que estão já a ver uma oportunidade para chegar ao cargo. Não aceito este discurso e caminho bélico em que se transformou nestes últimos tempos o Sporting. O silêncio é de ouro, segunda feira o que tiver de acontecer, acontecerá e o Sporting, de certeza, que continuará. Sempre!

Jogadores
São vítimas de um ataque. Confundir as caralhadas que um gajo manda durante o jogo, até uma espera em Alvalade ou à saída de um estádio para lhes mandar umas bocas, até uns insultos, com um ataque violento desta natureza, desvirtua os valores com os quais o meu avô, Sportinguista, que me transformou neste doente que sou pelo Sporting, me passou e identificou como Leão.
Nesta altura não espero grande coisa do jogo de domingo, aquela festa incrível que normalmente se passa no Jamor está estragada por um episódio que extravasa o futebol. 
Não sei o que os jogadores terão na cabeça neste momento e não sei se existe alguém na equipa técnica do clube que lidere estes próximos dias e seja capaz de ajudar a serenar os ânimos para o jogo de domingo.
É um dia triste e neste momento, mesmo estando sedento de vitórias e troféus, só podemos esperar pelo final da época, no domingo, e no dia seguinte, certamente, há um virar a página. Tem de haver!

segunda-feira, 14 de maio de 2018

Marítimo 2-1 Sporting :: colapso!

foto: Hélder Santos

Infelizmente, não vale a pena falar muito do jogo, daquele que aconteceu no relvado, onde jogadores e equipa técnica tinham responsabilidades para fazer muito mais, mas que frustou tudo e todos.

Nos últimos 3 jogos da Liga Portuguesa, já sem a carga de jogos a que foram submetidos os jogadores ao longo da época, o Sporting realizou 3 exibições miseráveis. Principalmente nos últimos dois encontros. Uma equipa que tinha passado a depender de si para conseguir o único objectivo possível e garantir o orçamento para a próxima época, desiludiu tudo e todos, mais uma vez, chegando mesmo a deixar no ar a tentação de justificação do que se passou em campo com teorias que, nesta altura, não pensaria ser possível sequer equacionar.

Jorge Jesus é o principal culpado da época falhada do Sporting. A Taça, a possível vitória na Taça, não esconderá, nem será suficiente para apagar o mau desempenho da equipa na temporada 17/18. Estou particularmente à vontade para falar do nosso treinador porque fui defensor dele nestes 3 anos que está à frente do destinos do Sporting. Mas, neste momento, é impossível defender a forma como tudo se precipitou.

Bem sei que nesta altura é sempre fácil criticar o treinador. É fácil lançar a acha para a fogueira que desde ontem começou a arder e, em lume brando, cozinha a sua saída.  É fácil porque os treinadores são os primeiros a sofrer. É mais fácil despedir um treinador, que limpar meia dúzia de jogadores que não fizeram mais que número ao longo da época, ou que mudar de Presidente.

Por isso, no final do jogo, ontem, disse que Jorge Jesus, certamente não o fará, mas devia ter colocado o seu lugar à disposição da direcção do Sporting. Independentemente do resultado no Jamor, apresentar a demissão era o único passo certo. Se a Direcção aceitasse ou não era outra coisa. Não o digo por este 3º lugar, digo-o pelos resultados acumulados na Liga nestes dois últimos campeonatos e pelos valores envolvidos.

Claro que todos conhecemos o estilo de Jorge Jesus e ele não o fez, nem iria fazer. Mas, se tivesse o amor ao Sporting como tantas vezes apregoou, fazia-o. Sinceramente!

Ninguém está imune às críticas. Bruno de Carvalho é o Presidente do Sporting. É o primeiro culpado. Parece forte a palavra, mas é a realidade. Um líder de uma instituição será sempre o responsável máximo pelo que acontece na organização que comanda.

A entrevista que deu ao Expresso no sábado, num bom trabalho jornalístico, mostrava claramente, até porque sabemos à posteriori que a data foi acordada por ambas as partes, que a ruptura entre Bruno de Carvalho e Jorge Jesus é evidente. O recado no jornal pelo que se passou no balneário depois do post do Facebook, não deixou dúvidas que Bruno de Carvalho não ficou nada contente com a posição de JJ e, como bem sabemos, Bruno não esquece. À medida que escrevo este texto, há uma reunião entre Direcção e treinador (e depois jogadores), vamos esperar pelo seu desenlace.

E os jogadores?

Fizeram pouco. Não tenho dúvidas disso. Não quero entrar em teorias que estariam a fazer a cama ao Presidente. Seria patético demais. Mas a verdade é que nesta altura, infelizmente, eu já duvido de tudo.

A única certeza que tenho é que irei continuar a amar este clube como sempre, mesmo que por vezes, não pareça que o Sporting mereça. Não pela instituição, que me merece sempre tudo, mas pelo que alguns dos seus intervenientes mais directos vão fazendo ao nosso clube. Não conseguimos encontrar o equilíbrio, quando o fazemos rapidamente procurámos a destruição. A auto-destruição parece um pedaço de ADN do "Ser Sportinguista"!

Não sei o que o futuro nos reserva. Não sei o que pensar sobre os próximos dias. Uma possível vitória na Taça não apaga este panorama triste em que me encontro. O Sporting é uma parte muito significativa da minha vida, mas a verdade é que não há época nenhuma em que tenhamos sossego para preparar as coisas como devem ser preparadas para uma época em que apenas a nossa preocupação deveria ser o jogo jogado. Há sempre um qualquer assunto que nos prejudica o arranque da época seguinte, há sempre uma ponta solta, há sempre algo preparado, ou que preparámos, para nos auto-destruir. Tudo o que possa dizer mais sobre este assunto, poderá cair em saco roto daqui a umas horas.

Espero, sinceramente, que as partes, Direcção, Treinador e Jogadores percebam que eles, todos, passarão pelo clube e são apenas partes do puzzle em construção chamado Sporting e que começou a ser criado em 1906. Ou encaixam nos valores de quem fundou este centenário clube, ou mais vale seguirem por outro caminho. Não pode ser só o dinheiro a locomoção das suas carreiras. Se assim, for, estamos a falhar na ideologia que o Sporting quer profissionais, sem dúvida, mas, "it's not only for the money"!

segunda-feira, 7 de maio de 2018

Sporting 0-0 Benfica :: desilusão!

foto: Pedro Fiúza/NurPhoto via Getty Images


As deslocações a Lisboa para ver o Sporting estão carregadas, cada vez mais, de sentimentos, amizade, convívio e uma vontade enorme de discutir, viver e amar o Sporting. No sábado não foi diferente e no carro onde me desloquei estavam 4 amigos que representam muito bem o que tem sido o crescendo de Sportinguismo na minha vida nestes últimos anos. 

O João conheci-o pessoalmente num Paços de Ferreira Sporting de início de época. Já falávamos muito no Twitter, é o criador do Sporting160, fui uma das suas cobaias e tem sido um prazer imenso fazer o programa com ele. O , "perdemos o Zé?", é, provavelmente, o meu primeiro grande amigo desta revolução de blogues e redes sociais. Conheci-o pessoalmente há muitos anos, no Solar do Norte, e as suas opiniões, muitas deles dissonantes das minhas, são absolutamente fundamentais para eu balancear o meu pensamento sobre tudo o que se passa no Sporting. O Palhas é amigo de faculdade, anos e anos de discussões sobre o Sporting, amigo de longa data no sofrimentos, vivemos e estudámos no Porto, nas alegrias. O Henrique, a barba mais célebre do universo leonino, é amizade mais recente, mas sempre disposto para uma deslocação para ver um jogo ao vivo, já avisou que este fim de semana há futsal em Gondomar e hóquei no Porto, disponível para ajudar o próximo. Não esqueço as palavras dele uma hora antes do jogo, "se não entrares, eu fico cá fora contigo". Obrigado!

A tudo isto somam-se as inúmeras amizades que vamos fazendo e conhecendo, na roulotes vive-se e transpira-se Sportinguismo, já não consigo ir a Alvalade sem visitar os amigos que por ali estão, os novos ou os mais antigos, naquela altura o assunto é sempre e apenas um: vitória do Sporting!

Por isso é que a viagem de regresso custou muito. No sábado era dia de "matar". Sabemos que um derby é sempre jogo de tripla, mas as condições emocionais de cada equipa na preparação do jogo eram completamente diferentes. O Sporting estava mais forte, jogava em casa e sabia perfeitamente que a vitória arrumava com o único objectivo que ainda tínhamos pela frente no campeonato nacional. Não podíamos falhar. Não podíamos jogar para empatar. Não podíamos deixar para a última jornada uma parte relevante do que poderá acontecer na próxima época, porque na Madeira o jogo é mesmo de vital importância para 18/19.

Por isso é que estou absolutamente lixado com Jorge Jesus. Cometeu dois erros capitais na noite de sábado. Primeiro com a titularidade de William Carvalho. Inconcebível. Bryan Ruiz e Battaglia tinham demonstrado nos últimos jogos que a parceria estava a funcionar muito bem. A entrada de William, é, na minha opinião, uma das principais razões para o domínio inicial do Benfica que podia ter custado muito. A facilidade com que o adversário chegava à nossa área era assustadora. O segundo erro foi a entrada de Misic, não pelo jogador em si, mas pelo que representou e o aceitar que o empate era suficiente para as nossas aspirações. Corroborado, por alguns adeptos do Sporting que no final festejaram o empate, o segundo lugar naquele instante, num momento que não garante nada. Apenas partir à frente para a última e decisiva jornada. Assustador!

Uma nota final para o ambiente no estádio José Alvalade. Aquilo que se passou durante O Mundo Sabe Que é importante e fundamental para não deixar morrer o bom e velhinho "espectáculo do futebol" que desapareceu com o novo estádio. Podemos discutir a zona para onde foram enviados os artifícios, e não creio e acho até estapafúrdia a ideia que foram enviados os artefactos de propósito para Rui Patrício, podemos discutir as multas e até a legalidade das acções, erradamente proibidas em Portugal, mas aquilo foi adrenalina, paixão, sentimento e vontade de mostrar que Alvalade pode voltar a ser um inferno para os adversários. Assim todos os intervenientes o queiram!

Já agora, depois de 2 títulos no João Rocha, num pavilhão feito à Sporting, quando é que começamos com a #MissãoAlvalade?
É urgente modificar o nosso estádio. Não digo implodir, porque o custo da construção de um novo é muito elevada, mas está na altura de idealizar uma casa para o Sporting como deve ser!

quarta-feira, 2 de maio de 2018

Sporting é campeão nacional de voleibol!


A Sporting TV transmitiu o jogo da negra no Pavilhão João Rocha de uma modalidade que regressou este ano após 24 anos de ausência. Três coisas possíveis e tornadas reais por esta direcção.

O Sporting foi campeão num fantástico hino à modalidade. Duas grandes equipas a darem tudo até ao limite. Atletas e Dirigentes estão de parabéns.


(vídeo via Artista do Dia)

domingo, 29 de abril de 2018

Portimonense 1-2 Sporting :: a noite dos Brunos!

foto: Sporting


Muito contente pela vitória de ontem do Sporting em Portimão e pela consequência directa dos 3 pontos conquistados, pois estamos mais próximos de conseguir o mínimo (aceitável) na Liga Portuguesa. 

Muito triste, e isso é o que me custa mais, porque o Sporting podia e devia estar a lutar pelo título noutras condições e, sinceramente, só não o está a fazer por culpa própria. Como já disse algumas vezes, e volto a repetir, o Porto se confirmar como campeão, será porque foi dos 3 grandes o que jogou menos mal, ou o que falhou menos em determinadas condições que não seriam aceitáveis para um clube que pretende ser campeão. Seja como for, tudo que seja diferente do Sporting campeão é uma tristeza. 

Em Portimão viu-se, como raras vezes, uma excelente partida de futebol. Primeiro um estádio cheio, levado pelas emoções de um dos jogos mais complicados que o Sporting tem quando visita um clube dito "pequeno". O Sporting apenas por 5 vezes tinha vencido fora, e já levava 4 derrotas. Só as últimas duas vitórias, sem contar com a de ontem, é que nos colocaram à frente neste particular diante do Portimonense.

Em Portimão vive uma equipa de futebol que joga bem. Foi constante ao longo da época. Vítor Oliveira tem feito um excelente trabalho com os seus jogadores e o que vimos ontem foi uma demonstração do que é possível para uma equipa com menos recursos fazer para disputar o resultado diante de um grande do futebol português. 

A prova disso foi o que se passou a seguir ao golo sofrido. O Sporting entrou bem na partida, marcou aos 23' por Bruno Fernandes, num excelente gesto técnico, mas, num acto estratégico de Jorge Jesus, cedeu o controlo de jogo e passou a jogar em contra golpe, visível pela posse de bola que muda a partir dessa altura. Era fácil ao Sporting entrar ou chegar próximo da área do Portimonense, mas também sofria as avançadas dos jogadores adversários, nomeadamente Fede Varela, Tabata e Nakajima. 

Foi uma estratégia de Jorge Jesus que não resultou, ele contava chegar assim ao segundo golo, mas também porque Vítor Oliveira mexeu no centro do terreno confundido e muito a acção de Battaglia, que, como vimos ontem, esteve praticamente desaparecido. JJ confirmou isso mesmo no final do jogo.

A verdade é que o Sporting nunca mais conseguiu ter o domínio de jogo necessário para tranquilizar-se e acabou por sofrer o golo do empate perto do intervalo.

O que aconteceu foi futebol. Puro, simples e maravilhoso, mesmo que o resultado não fosse o que pretendíamos!

Na segunda parte apesar de algumas melhorias de Bryan Ruiz, os grandes problemas foram: 1) meio campo inexistente, Battaglia e Bryan que apesar do registo de 6 jogos e 6 vitórias, ontem foram ofuscados, 2) Bruno Fernandes, principalmente na segunda parte, estava sem forças, sendo que o último fôlego dele foi aquele fantástico remate que deu o golo da vitórias, 3) o Sporting conseguiu apenas 74% de passes com sucesso durante toda a partida, muito abaixo do que é normal.

Os últimos 20 minutos de jogo foram de parada e reposta, com duas equipas partidas, a apostar tudo ora em remates de fora de área ou lances de bola parada, e nesse particular, a sorte, o engenho e a arte sorriu ao Sporting e em particular a Bruno Fernandes que bisou, marcando um magnífico golo confirmando, na minha modesta opinião, que é actualmente o melhor jogador da Liga Portuguesa 17/18.

Voltamos a ter uma semana de descanso antes de receber o Benfica no próximo sábado. O derby tem um sabor especial pela importância da luta pela segunda posição, que dá acesso à Liga dos Campeões (fase de pré-qualificação). O Sporting tinha 3 jogadores em risco para falhar por amarelos a próxima partida e tudo correu bem. Alvalade tem de esgotar, o nosso apoio é fundamental!

Por fim, a noite foi dos Brunos. Do Fernandes, porque é um jogador incrível, de uma qualidade muita acima do normal e que poderá ser uma das grandes surpresas do Mundial, do Carvalho, porque permitiu com uma mudança de paradigma começada há 5 anos, possibilitar o Sporting de ter jogadores com esta qualidade. Para os que andam ridiculamente a festejar a vitória querendo à força toda brincar com o nome Bruno achando que estão a ser desagradáveis com Bruno de Carvalho, o irónico é que estão, sem querer, a dar-lhe razão. 

Viva o Sporting Clube de Portugal!

segunda-feira, 23 de abril de 2018

Sporting 1-0 Boavista :: vitória escassa!

foto: Carlos Rodrigues/Getty Images

Falta apenas 1 jogo para terminar o ciclo infernal de Abril que o Sporting tinha pela frente. Em 6 jogos, contando já com a justíssima vitória ontem diante do Boavista, o Sporting regista 5 vitórias e 1 derrota que infelizmente ditou o afastamento da Liga Europa.

Em Alvalade, a vitória do Sporting por 1-0 sobre o Boavista não oferece contestação. Peca por escassa e o clube mantém um registo de golos sofridos pouco habitual e que merece a atenção. Nos últimos 10 jogos para a Liga não sofremos qualquer golo em Alvalade. É preciso recuar até 5 de Novembro quando empatámos a 2 com o Braga, clube que marcou metade dos golos que sofremos em nossa casa neste campeonato. Notável!

Que este registo de mantenha para o último jogo em casa diante do eterno rival.

Vamos directamente ao que interessa falar deste jogo que é a dupla que tem ocupado o meio campo leonino: Battaglia e Bryan Ruiz. Estatisticamente, via WhoScored, Bryan Ruiz ontem foi o melhor em campo. Battaglia é um pulmão incrível que dá tudo que tem em campo e que nunca desiste de uma batalha. Se William regressar da lesão para onde irá?

Nesta altura, olhando para os últimos jogos, não me parece haver qualquer dúvida, William regressa e vai para o banco. O último jogo dele enquanto titular foi a derrota contra o Atlético em Madrid. Depois disso, com a entrada de Battaglia e Bryan Ruiz, sempre presentes na equipa titular, o Sporting venceu o Paços de Ferreira, Atlético Madrid, Porto, Belenenses e Boavista. Não acho que se deva respeitar sempre a velha máxima, "equipa que vence não se mexe", mas neste caso, atendendo ao que ambos têm produzido para a equipa, Battaglia um lado mais físico, guerreiro e até emocional, Bryan mais cerebral, metódico, com qualidade de passe como poucos, merecem este final de época. Mas, Jorge Jesus é que manda, primeiro vamos esperar pela recuperação total de William e depois perceber o que o nosso treinador irá fazer.

O Sporting fez uma primeira parte de grande nível. Marcou aos 26' por Bas Dost, na conversão de um pénalti bem assinalado, tenho ainda pelo menos mais uma mão cheia de oportunidades que, invariavelmente, foram paradas por Vagner, o guarda redes do Boavista. 

Na segunda parte a equipa rebentou fisicamente e com isso o Boavista conseguiu um ligeiro ascendente, sem, no entanto, alguma vez importunar Rui Patrício. Daí que me espante as declarações de Jorge Simão, treinador do Boavista, que disse que em "certos momentos encostámos o Sporting".

Bem, recorro aos dados para dizer que o Boavista não rematou à nossa baliza, dos 5 remates que fez no jogo, 80% foram fora da área,  apenas 24% do tempo total de jogo foi jogado no último terço defensivo do Sporting e conseguiram apenas 41% de posse de bola. 

O Sporting mantém os 3 pontos de diferença para o Benfica, o Porto só joga esta noite, a equipa vai ter uns mais que merecidos dias de descanso e só voltará a jogar em Portimão no próximo sábado.