sábado, 14 de janeiro de 2012

Direitos televisivos por um leitor















Há comentários que não podem ficar perdidos nos textos que vão sendo escritos no blog, deixo aqui um do JPDB sobre os direitos televisivos e que vale a pena pela sua opinião sustentada.

"A venda em bloco dos direitos de TV pela Liga, no curto prazo não beneficia o Sporting nem os outros grandes, mas também não os prejudica. Para os grandes o cenário fica parecido, mas para os pequenos as receitas de TV aumentarão imenso. Ou seja, num curto prazo os pequenos ficam melhor, o fosso entre grandes e pequenos diminui, e o campeonato ganha expressão. Então, no longo prazo todos os clubes, grande e pequenos terão muito a ganhar com o acréscimo de qualidade do campeonato. No entanto, tem havido resistência dos clubes grandes (SLB e FCP principalmente), em cederem o seu poder aos pequenos. Não querem perder preponderância. 

No entanto esquecem-se que um campeonato só existe, enquanto a maior parte das equipas for competitiva. Como está actualmente, o campeonato caminha para o colapso. Os campeonatos mais sustentáveis financeiramente são o francês e o alemão. Nestes campeonatos a venda dos direitos de TV é centralizada, e há sempre incerteza relativamente ao vencedor (ainda que possam acontecer séries como a do Lyon). Vejo muitos adeptos do SLB a achar que o clube deles só poder perder com esta negociação em bloco, mas tenho pena que a única preocupação deles seja ganhar a qualquer custo (tal como os do FCP) e que não percebam a importância de um campeonato forte e aliciante. Aliás, todos os benfiquistas sonham com a venda dos direitos de TV por 40M€, algo que nunca acontecerá, nem sequer por 30M€. Já hoje vieram dizer que as únicas opções são a Olivedesportos ou meter os jogos na BenficaTV. A Olivedesportos não tem muito interesse em dar mais do que 25M€ por época, porque tem uma cláusula no contrato com o FCP, que os obriga a pagarem 90% do que pagarem ao SLB. 

Meter os jogos no BenficaTV será um fiasco enorme. Porque lá está, os jogos em casa são transmistidos através da BenficaTV (que só existe no MEO), e os jogos fora dão na SporTV. Vão obrigar os benfiquistas a mudar todos de serviço? Vão obrigar todos a terem SporTV na mesma, o que irá ser ainda melhor para a SporTV, porque não paga ao SLB e os benfiquistas precisam dela na mesma...por aqui se percebe o interesse da venda centralizada e em bloco. O produto é muito melhor, e tira o poder a qualquer operadora, ficando o poder para os Clubes! 14 de Janeiro de 2012 01:14 JPDB disse... (continuação) Actualmente, os clubes em Portugal podem vender os 15 jogos que realizam em casa para a Liga (isto falando só dos jogos oficiais). 

As competições europeias, e as Taças são vendidas em pacotes de maneira centralizada. Por aqui se percebe que uma venda centralizada pela Liga é um produto mais interessante que cada clube a vender os seus jogos. Enquanto os grandes conseguem despachar facilmente os seus 15 jogos, os pequenos no máximo conseguem meter 3 ou 4 jogos como alvos do mercado. Num pacote com todos os jogos, a Liga pode inflacionar o preço, porque o produto é mais interessante. Além disso, pode benefeciar de uma posição mais forte, uma vez que muitos clubes pequenos negoceiam a baixo preço, só para receber dinheiro fresco que tanta falta lhes faz. Este ano os jogos do campeonato devem ter custado menos de 50M€ à Olivedesportos. Com uma venda centralizada facilmente se poderia chegar aos 100M€. 

Se a proposta não for interessante, a Liga pode sempre assumir as transmissões televisivas, pode vender para outros países sem intermediários, pode colocar em regime de pay-per-view cada jogo. Ou seja, chegamos a um sistema que é melhor para todos, e mais solidário para todas as equipas. No entanto, para ser solidário, as receitas têm que ser divididas de maneira justa. Certamente que todos os benfiquistas acharão que merecem pelo menos metade de todas as receitas, mas tal é um enorme erro, por várias razões. Para começar as audiências dos jogos do SLB não são superiores às dos outros grandes (ver números oficiais das últimas dez épocas, não é só ver a temporada 2009/2010), em segundo lugar, e mais importante, nenhuma equipa joga sozinha! 

Dou sempre como exemplo, se todas as equipas boicotarem os jogos no estádio da Luz, o SLB fica com ZERO jogos para vander, ainda acham que alguém quer meter dinheiro nisso?!

Assim, penso que a divisão das receitas devia seguir o modelo francês: 
-50% das receitas divididas igualmente por todos os clubes; 
-30% das receitas são indexadas à performance desportiva no campeonato; 
-20% das receitas são indexadas á performance desportiva nas competições europeias.

Caminhar para um campeonato mais justo e solidário, é o primeiro passo para termos um campeonato mais competitivos, mais aliciante para os bons jogadores, mais aliciante para exportar. Podem ver como o campeonato espanhol se está a ressentir da excessiva bipolarização e do cada vez maior fosso para Barça e Real, até lá se discute a necessidade da venda centralizada dos direitos de TV para dar mais interesse ao campeonato..."

8 comentários:

Germano Bettencourt disse...

Eu compreendo todo o texto, e diria, avancem para uma medida dessas. No entanto, não o posso fazer por um motivo:

- No futebol Português impera a lei da corrupção. É possivel verificar isso com o caso apito dourado, recente entrevista de António Oliveira, as eleições à presidência da FPF e da Liga, etc etc...

É a meu ver, este facto que impugna essa opinião muito perspicaz desse leitor. Num caso desses, vamos estar sempre a beneficiar quem corrompe.

Essa medida era justa num futebol justo, não no nosso.

Permite que te faça uma pergunta, a equipa do Sporting, tem de ter quantas vezes mais qualidade para ganhar ao Porto um campeonato. Aposto contigo, que ao longo dos últimos 20 anos, o Sporting já teve melhores equipas que o Porto, e mesmo assim era o Porto acabar como campeão.

A.Amorim disse...

Parece uma grande ideia, talvez a única grande novidade neste presidente, os direitos de TV serem repartidos pela Liga mas apenas peca por tardia esperemos que o clubes nao inventar problemas para tal não ser aplicado .
Em relação a mais propostas já faladas, o aumento pra 18 clubes na 1ª, não parece que seja algo prioritário e como já li noutros blogues apenas á meia dúzia de anos foram de opinião contrária (reduzi-las), uma outra ideia (mas penso que já esteja acordada entre os clubes) é retomar as equipas B, mas o ideal, em vez de 22(!!?) na 2ªliga, seria uma liga unicamente com as mesmas (como na Inglaterra), mas para isso deveriam entrar no mínimo 8 equipas para fazer uma série minimamente competitiva

PS:Uma correçao- porque muitas pessoas terão ainda a mesma ideia, a BenficaTV tambem está disponivel, e gratis, no OptimusClix e não apenas no Meo

JPDB disse...

Em primeiro lugar, agradeço o direito de antena aqui neste blog de referência :) não era a minha intenção quando comentei, mas agradeço. Especialmente por este ser um assunto que me incomoda a maneira "superficial" como é discutida, e porque o SLB é essencial para esta negociação colectiva e vejo os adeptos benfiquistas com as ideias erradas sobre o assunto. Além disso, incomoda-me ainda mais o facto de o Sporting não ser o líder na luta pela venda centralizada.


Germano Bettencourt,

Percebo o argumento, mas continuo a achar que ficar parado, ou deixar de actuar por causa da corrupção é um erro. A corrupção combate-se! Dar mais poder aos pequenos também pode ajudar nesse combate, que não sentirão tanta necessidade de fazer o que o Papa do Norte mandar.

JPDB disse...

A. Amorim,

Obrigado pela correcção. Ainda assim, parece-me que muitos benfiquistas ainda continuam longe da BenficaTV, até porque pode ser complicado a um adepto mais moderado aguentar aqueles comentários lol...

Sobre o alargamento de equipas na Liga, isso parece-me mais uma medida para agradar aos pequenos. Essa medida não trará grandes benefícios para ninguém. Nem os 2 jogos extra em casa de cada grande lhes trarão proveitos extra nos direitos de TV, pois serão jogos muito fraquinhos.
Se querem estimular o espectáculo no campeonato, façam um modelo igual ao do andebol. 12 Equipas com 2 fases. Na 1ªfase jogam 2voltas entre todos. Na 2ªfase jogam-se 2 voltas entre os 6 primeiros, e duas voltas entre os 6 últimos. Entre as duas fases os pontos são divididos ao meio. Tínhamos uma segunda metade espectacular, com muitos confrontos directos, em que serviria de pouco empatar. Certamente que os estádios nesta segunda metade andariam bem mais cheios, e que haveria muito mais equipas com reais aspirações ao título até mais perto do final do campeonato. Com menos equipas havia mais espaço no Mercado para todas terem adeptos, e até passar a haver algum fervor regional. A importância de haver mais equipas com reais aspirações ao título nacional, é que só assim é que essas equipas conquistam adeptos. Ninguém quer ser adepto de um clube que à partida NUNCA ganhará nada. Por alguma razão as pessoas são do clube da terra e de outro grande (especialmente do SLB...).

Relativamente à II Liga, acho bom terem mais equipas, porque normalmente não precisam das pausas das selecções, e passam demasiado tempo sem jogar. Um alargamento para 22 ou 24 equipas nem seria mau.

Com estas duas medidas, acabava-se com a patetice da Taça da Liga, que agora nem tem patrocinador. Para quem quiser confirmar a patetice que é a Taça da Liga, comparem as assistências desta competição, com as registadas no campeonato. Se o público não quer saber...é uma competição sem mercado

Germano Bettencourt disse...

JPDB,

Obrigado por compreenderes as minhas palavras, e não me julgares simplesmente pelo facto de ser Benfiquista.

Eu gosto da ideia, a verdade é que a ideia me assusta. Obviamente que deveremos lutar sempre como bem dizes. Longe de mim colocar isso em causa.

Realmente tenho de concordar, que os clubes pequenos iriam ficar menos dependentes de uma estrutura como a olivedesportos, mas isso só faria sentido caso tivessemos um presidente da liga isento. Mas olha bem para o Sr. Mário Figueiredo:

"Advogado do Marítimo, presidido pelo seu sogro Carlos Pereira, o novo presidente da LPFP é sócio da Sociedade de Advogados portuense Gil Moreira dos Santos (advogado de Jorge Nuno Pinto da Costa, presidente do FC Porto, no processo “Apito Dourado”), Adelino Caldeira (Administrador da SAD portista), Cerenadas & Associados."

É por isso que tenho algum receio de aceitar esta ideia, é porque fico sempre desconfiado que trás água no bico. Ou como é que se explica, que este senhor chegue a presidente da Liga caído dos céus. É muito estranho, no mínimo.

Abraço Benfiquista

JPDB disse...

Germano,

Também já tinha lido isso sobre o novo presidente da Liga. Não sei agora, se não era a esta pessoa que o António Oliveira se referiu na entrevista como a pessoa que já sabia que ia vencer as eleições.

Há quem diga que ele não era apoiado pelo FCP, mas vejamos quem é que foi apoiado pelo FCP nas eleições que houveram recentemente: ninguém! O FCP nunca apoia ninguém, o que não quer dizer que os seus interesses não estejam acautelados...

Além disso até tenho algumas reservas sobre dar poder aos pequenos, porque a experiência dos últimos anos demonstra que, certos clubes pequenos estão-se bem a marimbar para o futuro do futebol. Mas como sempre acho que se os grandes derem bons exemplos, as coisas funcionam quase que educacionalmente...

Germano Bettencourt disse...

JPDB,

mas se for só o Sporting a dar o exemplo, não achas que se vai afundar?

Perante este facto, nunca hás-de ver nenhum grande dar o exemplo.

O Porto não precisa de apoiar ninguém, se como o António Oliveira diz, tiver a olivedesportos apoiar por ele. Obviamente que ninguém pode acusar o Sr, Mário Figueiredo de nada, mas isso não me impede, a mim como Benfiquista, ter alguma cautela e receio.

E eu falo como Benfiquista, mas acredito que muitos Sportinguistas afinem pelo mesmo diapasão.

César disse...

Boa tarde,
deixe-me dizer antes de começar que sou benfiquista e estou contra a venda centralizada (embora tal facto não tenha que ver com a preferência clubistica). Passo a explicar os motivos:
1º Como iria por em prática a venda de direitos televisivos (existem clubes que já venderam e receberam muitos euros pela venda dos respectivos direitos e por longos períodos de tempo)? Seriam os clubes obrigados a devolver o dinheiro e se sim onde o iam buscar? Iria a Olivedesportos pagar novamente por um coisa que já comprou?
2º Não me parece normal que num país em que existe um fosso entre grandes e restantes equipas tão grande uma equipa que luta pela permanência receber o mesmo que um grande. Sendo que dessa equipa são transmitidos 3 jogos em casa e eventualmente 3 fora e do grande 30, 15 em casa e 15 fora. representando como sabe um decréscimo de receita de bilheteira.
3º Esse sistema faz sentido em países onde existe grande concorrência pelos direitos de transmissão e onde os clubes são idênticos (caso da França). Cá você diz que por época os clubes recebem 50M €, e com a venda centralizada se a Olivedesportos der os mesmos 50M €, vende a quem?