domingo, 20 de agosto de 2017

Vitória SC 0-5 Sporting :: uma manita das antigas!


Piccini é uma merda, Bruno Fernandes é caro, as comissões devem ter sido altas, Mathieu é lento, Doumbia marca golos mas na Suíça, o Alan Ruiz não vale nada, Battaglia não sabe passar, para ficar com o André Pinto não vendíamos o Paulo Oliveira, Mattheus Oliveira é bom no Estoril, o Jorge Jesus recebe milhões e não percebe nada disto, resume-se em 4 linhas a pré-época do Sporting.

Calma aos que já estão a tirar print-screens para me mostrar em Maio quando a época acabar mal para nós. Alguns quase que desejam isso. Ninguém tem dúvidas que este ano é fundamental para, principalmente, o treinador do Sporting. Não éramos os piores do mundo, e não somos, certamente, uma equipa imbatível. No entanto, faz-me uma confusão do caraças que uma equipa que leva 3 jogos para o campeonato, com 8 golos marcados e 0 sofridos, não mereça, pelo menos dos seus adeptos, um voto de confiança. Se não somos nós a acreditar neles, quem será?

Vencemos com clareza o Vitória em sua casa. Num estádio complicado onde, provavelmente, assistimos aos melhores 45 minutos da era de Jorge Jesus no Sporting. Durante a semana vaticinava-se o caos para o clube. Sejamos claros, neste período que antecedeu o jogo de ontem e o de quarta feira na Roménia, e passo a explicar.

Todos nós, Sportinguistas com olhos na cara, ficamos absolutamente irritados com o que se passou em Alvalade diante do Steaua. Um fraco jogo de futebol da nossa equipa que nos retirava alguma percentagem de sucesso na passagem da eliminatória e consequente qualificação para a Liga dos Campeões. Um objectivo claro do Sporting e que não pode falhar.

Quero com isto dizer que não concordando com o discurso de Jorge Jesus em relação a algumas coisas que disse das competições europeias, por outro lado, continuo de convicção firme que temos o melhor treinador possível para estar à frente do Sporting. E não concordo com muitas das suas opções, mas também digo que 98% dos que o criticam, se amanhã tivessem que se apresentar na Academia do Sporting para orientar os treinos diários de preparação de um jogo, nem saberiam o que fazer e às tantas abandonavam o local com aquela vergonha em que criticar a profissão dos outros é tão fácil até ao momento em que nos vimos no seu lugar.

Jorge Jesus sabe que o campeonato este ano não pode ser desviado de Alvalade, sob pena de ver a sua continuidade no Sporting ser interrompida, como também não pode continuar a falar com desdém sobre as competições europeias. Uma boa parte da sua época, individual, enquanto objectivo do treinador, joga-se na quarta feira. A vitória de ontem foi um bom tónico!

Está claro, na minha opinião, que Battaglia, Adrien e Bruno Fernandes, suportados por Gelson e Acunã no apoio a Bas Dost, são a melhor solução para a equipa. Não está o William Carvalho porque a cabeça e o castigo o tiraram da equipa, a primeira para mim é uma boa razão para não entrar no jogo diante do Steaua na Roménia, e nesta altura, em equipa que ganha, eu não mexia. 

Mas dará um certo alento verificar que no banco temos Iuri, Podence, Alan Ruiz, André Pinto, Ristovski, Mattheus, Jonathan, Bruno César ou Doumbia. Não garante nada, mas há um equilíbrio para as diferentes posições que não tem sido possível encontrar nas equipas que foram construídas sobre a direcção de Bruno de Carvalho. Daí que Jorge Jesus acabe por ter obrigações acrescidas em todas as competições.

O Sporting em Guimarães fez uma primeira parte de sonho. Abriu o marcador à "bomba" com um grande golo de Bruno Fernandes, que repetiu o remate aos 7' a passar ao lado do poste, depois seguiram-se dois golos de Bas Dost com passes geniais de Coentrão e Battaglia.

Ao intervalo com 3-0 para o Sporting, muitos, senão todos os que estavam no estádio e em casa, lembraram-se do jogo do passado dia 2 de Outubro, com o mesmo resultado e que terminou com um empate. No entanto, havia duas diferenças para esse jogo. A forma como o Sporting estava a jogar, e que não mostrava ser possível tal recuperação do adversário, e o VAR. No jogo do ano passado com o VAR não tínhamos empatado.

Na segunda parte a equipa manteve o ritmo incrível de jogo, com muita intensidade, boas triangulações e não houve um único jogador, dos 14 que estiveram em campo, que jogasse mal. O jogo roçou a perfeição, foram 5 e podiam ter sido muitos mais os golos na baliza do Vitória. Acuña e Iuri falharam de baliza aberta e Gelson tem duas bolas isoladas que poderiam ter melhor destino.

Aos que estarão por esta altura a falar dos jogadores que o Vitória não pôde utilizar, é como vencer uma partida sem o melhor marcador e achar que se ele tivesse em campo, às tantas goleava. Não!

O que aconteceu ontem em Guimarães poderia ter acontecido na segunda jornada em Alvalade diante do outro Vitória. A diferença esteve no nível de sorte e na estupidez que finalmente foi ontem quebrada, dos remates fora de área. Aleluia!

Nota final para a deslocação a Guimarães. É sempre um estádio onde todos os cuidados são poucos. Haverá lá, como em qualquer outro ponto do país, adeptos que não merecem ir à bola apoiar o seu clube.

Os adeptos do Sporting responderam de uma forma incrível ao apelo de encher as bancadas que nos estavam destinadas. Ali, durante os 90 minutos, não se fala de outra coisa a não ser o apoio ao clube durante todo o jogo. Canta-se, canta-se e vibra-se com o golo. As críticas ficam para depois dos 90 minutos. Não posso deixar de destacar, também, o apoio dos adeptos do Vitória, quando estavam a levar 5 secos, cantaram em uníssono mostrando que em Guimarães há um clube que é sempre superior aos outros 3 grandes, e isso, será sempre de louvar. O campeonato nacional agradecia mais manifestações desta natureza.

Com esta vitória do Sporting, a equipa irá, certamente, mais confiante para a Roménia. Não há margem de erro. É preciso fazer reset, porque o jogo de ontem já lá vai, mas o modelo que foi utilizado no jogo contra o Vitória SC é para repetir. Intensidade máxima e foco na baliza adversária. Esperar, e para já há boas indicações, que a defesa continue a ser uma barreira aos adversários. Não há que inventar, mas só respeitando o adversário e tendo em mente que nada está ganho. Vestir a camisola com o Leão Rampante e suor. Muito suor dentro de campo!


1 comentário:

jorgil disse...

Alguns esquecem-se que, no Benfica, o JJ só foi campeão ao 3º ano!!!