segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Sporting 3-0 Aves :: no regresso do 7, (mais) um hat-trick do 28!

foto: Miguel A. Lopes / LUSA

Vitória tranquila do Sporting que garante mais 3 pontos na luta pelo título, em que a margem de erro se vai reduzindo, semana após semana, com os três grandes do campeonato nacional a não quererem desarmar. O Porto só joga esta noite, mas qualquer que seja o resultado continua lá em cima (entre o 1º e 2º).

O Sporting está numa série muito positiva de resultados. Em Alvalade conquistámos a oitava vitória consecutiva e foi o sexto jogo em casa sem sofrer golos. A equipa está confiante, os adeptos, quase na totalidade, acreditam no sucesso dos que entram em campo, mesmo sabendo que no final apenas poderá ganhar um.

É mesmo por aqui que quero começar. O Sporting tem no seu estádio uma média sempre acima dos 40 mil. Fora de Alvalade, os estádios que até ao momento marcámos presença têm estado praticamente cheios e o apoio é absolutamente incrível. A união de aço que muito se tem falado é verdadeira e mostra que os adeptos em relação à equipa acreditam muito no que ela possa fazer este ano.

Claro que no final só um pode ganhar e se nos últimos anos o despique foi praticamente sempre a dois, este ano a luta será tripartida. O que, convenhamos, torna tudo mais difícil mas também mais saboroso para quem conseguir conquistar o tão almejado título de campeão nacional.

Qual é o problema? Espera-se, sinceramente, que a vitória seja sempre decidida no relvado. Não vou entrar nas questões dos e-mails, até porque isso é um assunto de justiça e é lá que devem ser resolvidas, e nesse particular, o Sporting deverá focar e encaminhar sempre para os orgãos competentes esses assuntos. Tenho, porém, uma certeza, tal como o Apito Dourado, quando se percebeu o esquema que por ali havia levou a alterações de comportamento de alguns árbitros, algumas das coisas que hoje vamos conhecendo também levarão a mudanças comportamentais de alguns. Não serão todos, mas diria que no final, os erros da arbitragem possam ser quantificados em grande parte pela falta de capacidade de alguns para executarem tal tarefa e de forma repartida sem conivência.

Voltando ao jogo. 

Pela segunda vez consecutiva Bas Dost fez um hat-trick. Pela sexta vez, não conferi os dados, mas estou a seguir-me pelo tweet do Pedro Figueiredo do Jornal do Sporting, o holandês marcou pelo menos 3 golos diante um adversário do Sporting. Mais de 50 golos na Liga Portuguesa em quase 50 jogos e uma capacidade de finalização a lembrar, e muito, Mário Jardel. Entre a sua capacidade de trabalho e faro pelo golo e o trabalho de Jorge Jesus, encontrámos um jogador absolutamente incrível que nos custou apenas 10 milhões.

Pela segunda vez consecutiva Jorge Jesus tem razão. Vá, tem razão ao colocar em campo Rúben Ribeiro. Tal como teve na semana passada quando colocou Bryan Ruiz.

Quem ouviu a conferência de imprensa de preparação do jogo, Jorge Jesus, até contrariando algo que ele tem dito nos últimos anos, verdade seja dita, avançou que o novo reforço do Sporting ia jogar. Com Bas Dost titular certo na frente da equipa, o treinador Leonino procura alguém que "acasale" com o avançado e se torne numa dupla de referência, principalmente, no número de golos. 

Já o disse várias vezes, Jorge Jesus sempre que foi campeão no Benfica tinha duplas (e triplas) que eram as que mais marcavam no campeonato nacional. Aqui isso, ainda, não aconteceu, e ele vai tentando com o que tem e com os ajustes naturais da abertura de mercado.

Rúben Ribeiro foi titular. Com a camisola 7 e toda uma história negativa dos últimos anos conhecida por todos nós. Assistiu de forma perfeita Bas Dost para o primeiro golo da noite. Seria substituído por Battaglia.

O Sporting marcaria mais dois golos, na segunda parte, onde não houve história absolutamente nenhuma, pois o sentido de jogo foi unicamente em direcção à baliza de Quim.

Duas notas em relação ao Desportivo das Aves. Primeiro para os adeptos que fizeram quase 700 km num domingo em que saíram de Lisboa para regressar a casa já perto das 23h e ainda com uma viagem de 4 a 5 horas pela frente. A Liga com talento não pensa em nós, os adeptos!

A segunda nota para a boa réplica da equipa especialmente nos primeiros 20 minutos. Entraram bem em jogo, com uma toada ofensiva muito forte pela alas, Amilton e Agra a deixar em apuros por diversas vezes o nosso sector mais recuado e, como todos reparámos, a primeira grande oportunidade foi deles, sendo que na primeira parte tiveram, em número de oportunidades claras, mais que nós. A equipa de Lito Vidigal apesar de defender com 3 + 2, que forma uma linha de 5 cá atrás, não é de colocar o autocarro em frente à baliza e desdobra-se muito bem na passagem para o ataque. Um bem haja às equipa que percebem que estão muito mais próximos de conseguir bons resultados a jogar assim que no eterno ferrolho que funciona bem de 20 em 20 anos. 

Com este jogo já na memória de todos, e os 3 pontos conquistados, não há muito tempo para descansar pois jogamos já na próxima sexta feira em Setúbal. Num horário ridículo, às 19 horas, mas onde se espera que os adeptos Leoninos marquem presença em força para apoiar a equipa por uma vitória essencial!


1 comentário:

Leonino disse...

O SPORTING não tem aquelas abébias de guarda-redes e defesas contrários a oferecer 2 ou 3 golos por jogo - vidé Rosic