sábado, 20 de janeiro de 2018

Vitória FC 1-1 Sporting :: um soco no estômago!

foto: Carlos Costa/NurPhoto via Getty Images

Quando numa campanha de Marketing do Sporting, pela altura do natal, eu fui um dos contemplados, não podia ter ficado mais contente por ter recebido a chamada telefónica do Fábio Coentrão. Foram 2 minutos de conversa onde pude explicar o que se sente quando eles marcam golos e lutam dentro de campo por nós, e ontem, naquele final de jogo em Setúbal ficou a resposta que eu sempre soube que ele iria dar ao meu agradecimento do que tem feito por nós.

Fábio Coentrão é do Sporting. Mas podia não ser, porque aquele tipo de jogador tem fibra de campeão e sabe o que é deixar a pele em campo, suar a camisola que enverga e contagiar tudo e todos que o rodeiam. O Fábio ontem foi, apenas e só, o reflexo de milhares de Sportinguistas pelo mundo fora que após 90 minutos de sofrimento, desesperaram e ficaram atormentadas pela perda de 2 pontos num campeonato que semana após semana não permite erros deste tipo.

Setúbal, enquanto cidade, ou o Vitória FC, são sinónimos de complicações para o Sporting. Gonçalo Paciência já tinha dado o mote durante a semana e para mim, a primeira final da Taça da Liga no Algarve, ficará para sempre na minha memória não pela derrota, mas porque um jogo daqueles, que nos foi tomando conta do corpo levou a que me parasse a digestão só sendo libertado o sufoco em que me encontrava depois das grandes penalidades do infortúnio para nós.

Mas ontem, sou sincero, estava convencido que ganharíamos sem problemas. O Vitória não me parecia, e hoje continua a não me parecer, um clube com capacidade para nos causar grandes problemas. Na realidade, o problema de ontem foi completamente causado por nós.

Primeiro, pelo inúmeros falhanços dos jogadores. Houve tempo e oportunidades para fazer o segundo golo e acabar com a história da partida. Segundo, porque Jorge Jesus voltou a acreditar que um 1-0 chegaria para vencer. Já o tinha feito esta época, não se compreende que o repita, nomeadamente, quando ainda agora chegaram reforços, mas, acima de tudo, quando olhámos para o banco e sabemos que há soluções para resolver certos problemas e colocar em prática um plano B. Colocar Doumbia aos 95 é lamentável!

Como devem imaginar não há espaço para falar muito no jogo e nos diferentes acontecimentos do mesmo. A azia é profunda e está a custar bastante superar este estado em que me encontro!

Não quer dizer que esteja perdido o campeonato. Foi um passo atrás, quando estávamos claramente a caminhar em frente, um tropeção que só em Maio vamos perceber a real dimensão, no entanto, há um sentimento que é claro para mim. Podemos e devemos criticar a Direcção, o treinador e os jogadores, o que não significa que os estejamos a abandonar.

Da minha parte não é com toda a certeza, até porque na quarta feira estarei em Braga a apoiar o Sporting na meia final da Taça da Liga diante do Porto. Apoio, apoio e só apoio é o que estarei a fazer com outros companheiros de bancada porque as coisas não se confundem.

O Sporting é um amor único que nos acompanha desde o início da nossa vida até para além da morte.

Hoje, dia 20 de Janeiro de 2018, há eleições no Solar do Norte. Um dos núcleos mais importantes do Sporting no norte do país, um local que eu há muito tempo admiro por tudo o que os fundadores deste núcleo e os que por lá passaram nas diferentes direcções sempre fizeram pelo Sportinguismo, principalmente numa cidade como o Porto.

É também a minha estreia no envolvimento em eleições e faço parte da lista para a direcção, a par do meu companheiro de podcast do Sporting160, João Castro, que hoje a votos.

Obrigado ao Filipe e ao Luís pelo convite, tentarei estar ao nível da grandeza do Sporting. Porque isso é, e sempre será, o mais importante!

1 comentário:

Duarte disse...

São 2 pontos inacreditavelmente perdidos com o penúltimo classificado e que podem valer um campeonato.