Benfica 1-1 Sporting :: Salin fundamental!

foto: Carlos Palma/NurPhoto via Getty Images

Foi um bom resultado do Sporting na Luz, obviamente que a vitória é o que sempre desejámos para o Sporting, até aos 70 minutos parecia ser possível, mas dadas as oportunidades do Benfica, não era fácil manter o 1-0. José Peseiro poderia e deveria ter arriscado um pouco mais, o recuo funcionou, se contarmos que não perdemos, mas com alguma sorte à mistura.

Ontem, tinha escrito aqui no blogue, que havia pelo menos 3 factores que poderiam ser determinantes para que o Sporting lutasse pela vitória: guarda redes, meio campo e o goleador. Dois deles foram conseguidos. Salin foi o melhor em campo, Acuña jogou no meio, tal como já tinha acontecido diante do Vitória FC, e funcionou muito melhor que as duplas Battaglia/Petrovic e Battaglia/Misic nos jogos anteriores. Faltou apenas o goleador. Montero esteve muito bem a segurar as bolas, mas faltaram mais hipóteses para rematar e visar a baliza de Vlachodimos, ainda assim, foi fundamental no golo do Sporting.

Mas comecemos pela (triste) realidade do derby: foi fraco. Dos piores que já vimos jogar. Todos sabiam, de antemão, que este jogo não iria prejudicar ninguém. À terceira jornada (e agora até sabendo-se da derrota do Porto em casa), nem Sporting, nem Benfica iriam sair muito fragilizados do jogo. Provavelmente, até seria o Benfica a ficar em pior estado com a derrota ou empate, dado que durante a semana têm um jogo decisivo para acesso à fase de grupo da Liga dos Campeões.

Sinceramente, e nem quero estar em entrar nos pormenores da equipa do Benfica, pareceu-me que eles, ou grande parte dos jogadores adversários, estariam mais preocupados com o jogo diante do PAOK na Grécia do que com o jogo de ontem,

Com o Benfica mais rotinado, mais jogos oficiais, o Sporting tinha de aguentar muito bem o ímpeto inicial. Aquela defesa de Salin aos 6' depois da cabeçada de Rúben Dias, deu o mote. Não só porque evitávamos um golo madrugador e que seria desconcertante, como no lance seguinte Montero quase marcava.

José Peseiro entrou na Luz com Battaglia e Acuña no meio campo e Raphinha a extremo. Há uma certeza absoluta, Raphinha tem lugar de caras no 11 do Sporting, e Acuña naquela posição, pelo menos enquanto o campeonato não pára e Gudelj não conta como opção, pode ser mais valia que qualquer outro jogador já tentado. Não vou contar com o Wendel porque não tem sido opção para Peseiro. Sem que se perceba!

O Sporting chegou ao intervalo empatado a zero e com as hipóteses de vitória intactas.

Os primeiros quinze minutos da segunda parte mostram novamente um Benfica mais forte, à procura do golo, mas o Sporting já estava mais encaixado no esquema montado por Rui Vitória, e Salin estava lá para ir resolvendo as situações, principalmente entre postes, com toda a naturalidade.

No início do texto falei da situação sobre o meio campo, que em parte melhorou, mas Bruno Fernandes continua a estar afastado das principais movimentações do Sporting. Já tinha estado desaparecido no jogo em Alvalade e ontem voltou a ser pouco preponderante contando com aquilo que esperámos dele. Algo não está bem!

Ainda assim foi ele que lançou a bola para Montero ser rasteirado dentro da área do Benfica. Pénalti, sem discussão e golo de Nani. O Sporting aos 64' estava a vencer na Luz. Aliás, nos últimos 5 jogos, contando com o de hoje, apesar de só contarmos com 1 vitória, também só perdemos 1 vez e marcámos mais golos do que sofremos.

O golo do Sporting trouxe automaticamente o recuo da equipa. Peseiro viu a sua equipa ser encostada lá atrás e não reagiu, na minha opinião, como deveria ter acontecido. Quando Petrovic entrou aos 79', já Rui Vitória tinha esgotado todas as substituições, nesse período o Benfica rematou 3 vezes (nós apenas 1), tinha quase 80% de posse bola e tinha em campo um jovem jogador com vontade de mostrar que nos "derbies" a qualidade não tem idade.

Peseiro tinha no banco Jovane, Matheus Pereira e Wendel, mas preferiu povoar mais e mais o meio campo defensivo, jogar, a certa altura como pequeno, e sair com pelo menos 1 ponto da Luz. São opções, mas pareceu-me que em todo o jogo o Benfica dominou na globalidade, mas naquele período em que marcámos o golo e até ao momento em que sofremos parecia evidente que teríamos condições para manter a vantagem soubéssemos mexer de forma correcta no jogo. Wendel ou Jovane poderiam ter dado mais largura ao jogo do Sporting. O problema não foi tirar Bruno Fernandes, que estava mal, foi recuar ainda mais a equipa sem opções para sair do sufoco.

Opções à parte, a realidade, e nós vivemos com factos reais, o Sporting está à terceira jornada em primeiro lugar (ex-aequo com o Benfica e aguarda o jogo do Feirense), à frente do Porto e já fomos à Luz. Vá, ninguém contaria ou muitos poucos contariam com tal prestação.

Nota final para os adeptos do Sporting que marcaram presença na Luz, sempre ao lado da equipa motivando-a e mostrando que apesar do momento conturbado, o Sporting está acima disso tudo. Nota negativa para a Comissão de Gestão e a presença na tribuna. Eu, há muito, que defendo relações institucionais entre todos os clubes, mas, neste caso particular, deviam ser feitas de outra forma. Diria mesmo que este assunto só deveria ser retomado após dia 9 de Setembro, com o novo Presidente. Assim, parecia uma patuscada à boa maneira de Sousa Cintra!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A actual Direcção do Sporting deve marcar uma AG para ouvir os sócios. Já!

Macron, Nike, quem para o Sporting?

Obrigado, Ristovski!