sexta-feira, 21 de abril de 2017

Vencer ao Benfica e que o Porto perca o seu jogo!

foto: PATRICIA DE MELO MOREIRA/AFP/Getty Images

O jogo de amanhã, tal como os jogos contra o Porto, nunca são, nem serão, jogos normais. O derby centenário é um dos mais emblemáticos jogos a nível mundial, logo é importante vencer. O jogo no Dragão, para mim, por exemplo, é sempre um dos jogos que mais gosto, explicado por ser na cidade onde vivo. Da mesma forma que os Sportinguistas e Benfiquistas na mesma cidade vivem de forma mais dramática este jogo, eu contra o Porto também o sinto mais.

Obviamente valem apenas 3 pontos como contra qualquer adversário. Respeito tudo e todos e exijo que connosco seja igual. 

O meu desejo é claro: vencer ao Benfica e que o Porto perca o seu jogo. 

Se acredito que no título se essas duas coisas acontecessem? Eu acredito sempre. Faz parte da condição de "doente pelo Sporting". Faz parte do lado irracional de um adepto de futebol. 

Eu não vou a Lisboa ver o Sporting com a regularidade que já fui noutros tempos. Além do tempo e dinheiro que é necessário, dou preferência por acompanhar o Sporting nas deslocações fora de Lisboa e cá para Norte.

Este ano fui a Paços, Vila do Conde, Bessa, Chaves, Moreira de Cónegos, Tondela e Arouca. Ainda vou a Braga e a Santa Maria da Feira. É fazer as contas e ver que não sai nada barato.

A Alvalade fui ver o Porto e vou agora ver o Benfica. E quero acreditar que estarei lá, em Lisboa, contra o Chaves. Nunca se sabe...

O jogo de amanhã é para vencer porque o Sporting, na sua condição de grande equipa que é, joga sempre para vencer. Sejam quem for o adversário. Simples!

terça-feira, 18 de abril de 2017

Iordanov, que lição de Sportinguismo!

Quem lê regularmente o meu blogue sabe que faço parte do projecto Sporting160. Tem sido um prazer estar na génese de uma ideia tão simples: falar sobre o Sporting para Sportinguistas. Não vou repetir em que consiste o programa, que é gravado em directo comigo, com o João Castro e o José Duarte e que já leva mais de 23 episódios.

O de ontem, sem desprimor para qualquer um dos anteriores, foi incrível. Uma oportunidade única de falar com um dos meus ídolos de sempre do Sporting: o Grande Iordanov.

O programa andava a ser preparado há alguns dias, principalmente depois de termos visto a reportagem do canal Brasileiro em que o repórter Marcelo Canellas visitou o Iordanov na Bulgária. A partir desde dia metemos na cabeça que iríamos trazê-lo ao programa.

Começou por um número de telefone português e quando demos conta estava o João Castro a falar com o Iordanov. Que simpatia desde o primeiro dia.

Aceitou logo o convite, claro que foi investigar o que é Sporting160 e a partir daí...é o que todos conhecemos de Iordanova. Genuíno, amável, humilde e um enorme Sportinguista.

A conversa durou mais de 2 horas, e acreditem que fomos nós a acabar, na Bulgária já passavam das 2 da manhã, e o Iordanov brindou-nos com histórias incríveis mesmo com o problema que ontem afectou o Skype a nível mundial.

Ouçam, não é pela promoção do programa, mas porque o Iordanov é, simplesmente, fantástico!




O programa está aqui, aqui e aqui, não há desculpa para não ouvir.


sábado, 15 de abril de 2017

Vitória FC 0-3 Sporting :: a felicidade de Bas Dost é contagiante!

fonte: Vsports

É impossível ficar indiferente aos festejos de Bas Dost no terceiro golo do Sporting em Setúbal. Primeiro com os adeptos, a felicidade incrível de quem sabe que estamos sempre com eles, depois a corrida de mais de 40 metros em direcção a Alan Ruiz que tinha acabado de fazer uma fantástica assistência para golo. Schelotto ainda se juntou à melhor dupla do campeonato nacional para celebrar mais um golo do Sporting.

Há muito que este jogo era esperado pelo Presidente do Vitória FC, Fernando Oliveira. Depois da vitória para a Taça da Liga sobre o Sporting numa arbitragem habilidosa, da saída de Gauld e Geraldes após esse encontro, o Presidente Sadino queria voltar a fazer das suas. Não foi possível, pelo menos dentro de campo.

Já agora, o Sporting não teve bilhetes à venda em Alvalade para o jogo no Bonfim. Não sei se foi por não ter pedido ou se, eventualmente, porque o Vitória não cedeu. O que eu sei, e espero, é que o Sporting nunca entre nesse esquema que tanto prejudica os adeptos que adoram ver o futebol ao vivo.

Já há umas semanas o Tondela colocou os bilhetes a preços estupidamente altos, o estádio encheu de Sportinguistas, o clube da casa perdeu e para fugir à despromoção nos jogos seguintes, agora, até oferece bilhetes. O Arouca, depois da tristes figuras em Alvalade do seu Presidente (e filho), colocou os bilhetes ainda mais caros que em Tondela. O Estádio não encheu e perderam. 

Não quero, não desejo que o Sporting faça isso, mais ainda, quer que tenha um comportamento digno com os adeptos do Tondela, Arouca, Porto, Benfica e por aí fora. Que permita sempre que a festa do futebol vença e os adeptos não sofram pela estupidez de alguns dirigentes.

Jorge Jesus praticamente não mexeu no 11 titular e a alteração que fez era muito previsível. Com Adrien totalmente recuperado da lesão veio a titularidade, Bryan Ruiz saiu para o banco e Bruno César manteve-se na equipa, ele que atravessa o melhor momento da época (a seguir ao célebre jogo em Madrid). 

Estavam dois jogadores do Sporting em perigo de exclusão para o derby diante do Benfica: Marvin e Gelson. Marvin não escapou e foi amarelado, Gelson marcou o primeiro do Sporting e com a exibição segura da equipa, deu tempo para ser substituído e poupado para esse importante jogo.

O que eu esperava da noite de ontem passava, essencialmente, por 4 situações: adeptos Leoninos, golos de Dost e Ruiz, natural vitória do Sporting.

Falhou uma, vá, vamos considerar que foi meio falhanço. Alan Ruiz efectivamente não marcou, até ao 40' de jogo chegou a ser o único jogador do Sporting 100% de eficácia de passe. Mostrou que, quando não marca, é essencial para o jogo ofensivo do Sporting e a assistência para o golo de Bas Dost é soberba.

De resto, os adeptos do Sporting não falharam e foram bem audíveis os seus cânticos de apoio durante os 90 minutos, Dost voltou a marcar e o Sporting venceu mais um jogo.

Mas não posso deixar de referir Bruno César. Adoro ter jogadores deste calibre no Sporting. Profissional a 110%, dedicado ao clube que joga, um pulmão dentro de campo, joga até não poder mais, não refila, joga na posição que o treinador entender que é a melhor para a equipa. 

Nos últimos jogos tem estado incrível no apoio a Alan Ruiz e Bas Dost, ontem voltou a ter mais uma assistência para golo, foi o único jogador do meio campo que não perdeu bolas perigosas (obrigado GoalPoint) e só lhe faltou mesmo o golo para a noite ser perfeita. Quanto a mim, foi o homem do jogo!

Para a semana há um jogo com história, mais de 100 anos e que representa muito do futebol português, um dos "derby" eternos. O Sporting recebe o Benfica, nós sem nada a perder, apenas e só com o desejo que qualquer Sportinguista quer em qualquer jogo da nossa equipa: vencer.

Vencer para conquistarmos mais 3 pontos. Apenas e só. Claro que há a importância de vencer o velho rival, mas não nos colem, pelo menos a mim, à necessidade de vencer para dar o título a terceiros. Nem entro, nem quero saber dessa guerra. Eu quero que o Sporting vença sempre porque é o clube que amo, acima de tudo!

domingo, 9 de abril de 2017

Sporting 4-0 Boavista :: um olho em Alvalade, outro no pavilhão!

foto: Bruno Barros / DPI / NurPhoto via Getty Images

Que vitória fantástica do Sporting naquele que terá sido um dos melhores jogos da época. Aliás, o clube atravessa a sua melhor fase desde Agosto do ano passado, mesmo que os objectivos estejam (praticamente) todos perdidos. Mantém-se, no entanto, intacto o desejo de ajudar Bas Dost a chegar ao primeiro lugar, no final da época, do melhor marcador da Europa.

Quem me lê por aqui ou ouve no live podcast Sporting160, onde sou comentador residente, conhece perfeitamente o meu apoio a Alan Ruiz, e por isso vou começar pelo golo que inaugurou o marcador em Alvalade diante do Boavista.

Durante a tarde de ontem, lancei no twitter uma pergunta arriscada sobre a que minuto iria Alan Ruiz marcar o golo. Havia, claro, a oportunidade de dizer que isso não iria acontecer, indicando 0 nas respostas, e foi engraçado perceber que 101 utilizadores responderam e a confiança era tal que 95% deles indicaram o minuto da sua sorte. 

Provavelmente, há 3 meses, não tenho dúvidas que as respostas não eram as que hoje vimos. Alan Ruiz, que tivemos a oportunidade de ouvir alguns dados estatísticos que comprovam a sua importância no futebol do Sporting, é, por esta altura um titular absolutamente indiscutível e deixou-se de falar do valor da sua transferência. A evolução que sofreu, natural para jogadores argentinos, e fartei-me de falar do caso Acosta durante os meses de Agosto a Dezembro de 2016, está agora a dar frutos e é praticamente consensual que é um jogador importante para o Sporting 17/18.

A título de curiosidade o golo foi marcado aos 19m32s, e como não defini a regra sobre se isso representa o minuto 19 ou 20 de jogo, foram 2 os utilizadores a acertar (JoaoVentura822 e o nuno_11). 

A confiança dos Sportinguistas era tanta que ele ia marcar que os minutos mais escolhidos foram o: 27 e o 36 (sim, apareceram uns 2 Benfiquistas) com 7 vezes cada. Já agora, foram poucos os que indicaram os minutos da segunda parte, tal era o sentimento que ele iria marcar cedo e na primeira parte. Confiança total!

Se Alan Ruiz marcou o seu golo da ordem, já Bas Dost retomou o caminho da bota de ouro. Foram mais 3 golos e o Holandês continua imparável numa luta com Messi para conseguir destacar-se na Europa dos goleadores.

Fica cada vez mais claro que os 10 milhões de euros que pagámos pelo atacante ex-Wolfsburgo foi uma "pechincha"!

Gostava de ver o Pedro Madeira Rodrigues pedir desculpas pelo que andou a dizer e a escrever sobre estes dois jogadores, importantes activos do Sporting.

foto: Luís Pinho

Claro que o dia de ontem tinha um jogo mais importante que este contra o Boavista. Já o Sporting vencia por 2-0 e iniciava-se no Dragão Caixa uma importante partida de andebol para a luta pelo título de campeão nacional.

Centrei as minhas atenções nesse jogo, que não pude marcar presença no pavilhão azul e branco, mas que contou com uma presença assinalável de adeptos Leoninos. O Solar do Norte entregou todos os bilhetes disponíveis e mais tivesse, mais seriam entregues.

O andebol é dos jogos mais violentos para o coração dos adeptos Leoninos, principalmente esta época. Se em casa já tínhamos sofrido uma experiência traumática, a vencer por 7 fomos perder o jogo por 1, ontem a história repetiu-se, infelizmente!

Estivemos a vencer por 6, depois de uma grande exibição na primeira parte, parecíamos prontos a matar o borrego. O Sporting não vence há 17 anos(!) o Porto na sua casa. Mas nos segundos trinta minutos, onde só marcámos 9 golos, e estivemos os 6 minutos sem iniciais sem marcar um golo, foi o descalabro e saímos derrotados. É complicado ser campeão se não vencemos ao nosso adversário nenhum vez e este ano já foram 3 jogos.

Em Alvalade, no entanto, e perante mais de 40 mil adeptos, a festa continuava e o maestro da orquestra era Bruno César com uma magnífica exibição. 

Vitória fácil, merecida, na ausência de Gelson Martins lesionado, que nos continua a colocar naquela posição que ainda dá para sonhar. Sim, eu sonho sempre e muito, não quero pensar na vitória dos outros dois no campeonato e enquanto puder evitar pensar nisso, sigo contente. Haverá tempo para deprimir mais tarde...ou não!

quinta-feira, 6 de abril de 2017

Briefings da vergonha!



É verdade que podia ser um momento de satisfação estar aqui a falar do briefing que Carlos Janela transmite aos diferentes comentadores do Benfica. Semanalmente, estes senhores debitam asneiras atrás de asneira, sem qualidade, sem opinião, seguindo apenas uma certa orientação a mando de quem paga para defender a todo o custo um clube. Sem liberdade de expressão, sem contribuir minimamente para a evolução nacional do espectáculo desportivo que é o futebol.

Mas a minha preocupação quando vi o Director de Comunicação lançar cá para fora este documento foi perceber que o homem por trás disto tudo é Carlos Janela.

Preocupante porque este homem esteve 8 anos no Sporting. Nos períodos mais negros que o clube atravessou e, provavelmente, isto ajuda a explicar muita coisa que por lá, nesses tempos longínquos, foi acontecendo.

Depois, lembro-me do que Luís Filipe Vieira disse em Outubro de 2016 sobre os comentadores do Benfica e a tão propalada "liberdade de expressão" que, ficámos a saber, não é bem assim.

Na altura, até foi mais longe o clube presidido por Luís Filipe Vieira, emitindo um comunicado demarcando-se das opiniões, comentários e análises dos diferentes comentadores. Se bem se lembram, houve uma célebre foto a circular do almoço de alguns deles, em que já se falava da concertação de discursos. Facilmente comprovados, sem briefing, pela repetição do que eles diziam em diferentes programas.

Ou seja, o Presidente do Benfica mentiu. Mas, sinceramente, isso é mais um problema deles que nosso.

Rui Gomes da Silva confirmou, o briefing, e a mentira do comunicado do Benfica. Os documentos são passados e rapidamente passou ao modo de ataque. O briefing passou a ser uma ferramenta da estrutura profissional do clube.

Desse documento, não vou perder muito tempo, só referir que Bruno de Carvalho é uma peça importante dos ataques dos comentadores do Benfica, confirmando-se o que em tempos disse sobre este assunto, e reforçando que há muita preocupação em denegrir o Presidente do Sporting Clube de Portugal.

Não sou estúpido para achar que o meu clube não faz disto. Pode não ser desta forma tão estruturada como o Benfica faz, nem ter os tentáculos que o "polvo comunicacional" do Benfica tem, mas, é óbvio que também há "tendências" nas opiniões de certos comentadores.

Uma coisa é certa, o futebol nacional, a discussão em torno do futebol, a beleza que este desporto desperta em nós, pelo amor que temos ao clube e à modalidade, está a ser destruído por gente deste calibre, autênticas marionetas da televisão, um meio poderosíssimo capaz de moldar as opinião dos destinatários, levando cada vez mais ao fundo este espectáculo que adorámos.

Até onde? Não sei. Mas o fundo, um dia, chegará. Que seja rápido, porque depois, só pode melhorar. O futebol e o ar que respiramos!

segunda-feira, 3 de abril de 2017

Arouca 1-2 Sporting :: pró inferno com o futebol moderno!


A vitória do Sporting em Arouca não oferece contestação. Foram 3 pontos importantes para manter a equipa focada em torno do único objectivo até ao final da época que é vencer todos os jogos. Mas, não podemos permitir segundas partes como a que ontem realizámos.

Não podia começar a falar deste jogo sem mencionar os bilhetes. O Arouca, numa atitude mesquinha, e só possível porque a Liga Portuguesa continua a deixar que o futebol português seja uma bandalheira, anunciou 2 escalões de preços: 25 e o 30 euros. Absolutamente miserável para um estádio de categoria 3.

Vergonhosamente, os Pinhos queriam evitar que os Sportinguistas fossem ver o jogo. De certa forma, conseguiram. O Estádio Municipal de Arouca estava muito mais vazio do que tradicionalmente acontece.  Parabéns!

Só me faz querer que desçam de divisão o mais rapidamente possível porque não merecem estar no escalão principal do futebol português.

Mas depois, penso na gente simpática de Arouca, na forma sempre bem disposta como nos recebem, na posta e nos restaurantes fantásticos e na deslocação que perco se eles baixarem de divisão. Raio de sentimento!

Há 3 semanas o Tondela também exagerou nos preços, mas foram mais permissivos nos bilhetes que enviaram para Lisboa. O estádio encheu. Perderam. A segunda divisão fica mais perto, agora é tudo à borla. É o que dá a gestão de clubes às 3 pancadas.

Voltando aos bilhetes, faltava o preço do terceiro escalão. O Arouca colocou a 13 euros, enviou 5% para Alvalade e nada mais. Uns míseros 350 bilhetes. O Sporting reagiu em comunicado, lamentando, principalmente pelos seus adeptos. Dividiu o que tinha entre claques de apoio que vinham de Alvalade e os núcleos de apoio Centro e Norte. Foi assim que consegui o meu bilhete. Já agora, referir que mesmo que o Sporting pedisse mais bilhetes, e podia, tinha de pagar antecipadamente e não podia devolver caso sobrassem. Vale tudo!

Espero, porque o Sporting não pode mostrar a sua indignação usando as mesma regras, que para o ano quando o Arouca vier a Alvalade continue a ser recebido em condições  e que os seus adeptos não tenham de sofrer por causa de um prepotente da terra. 

Já que estamos neste assunto, que pouco tem a ver com futebol jogado com bola nos pés, a certa altura, já com o jogo a decorrer, vejo uma movimentação estranha na bancada do lado do Sporting, a uns 10 metros de mim, 7 polícias de intervenção e 4 GNR, locais diria, com o objectivo de retirar uma tarja das mãos de um adepto.

Nem vale a pena referir a violência do número de agentes para tal sucedido, ainda por cima sem grande oposição do lado do adepto, mas fiquei curioso para perceber que raio de mensagem poderia lá estar para levar a tal reforço policial actuar desta forma.

No final do jogo, e porque um amigo esteve a discutir a situação com a polícia, lá percebi que a mensagem que lá estava, era um violentíssimo "Pró inferno futebol moderno"!

A polícia entendeu que a mensagem não era de apoio ao Sporting e como tal retirou do campo. Qual liberdade de expressão, qual 25 de Abril, mandam eles, obedece a Liga e se os adeptos reclamarem...levam!

12 parágrafos depois vamos ao jogo.

Não houve surpresas no 11 inicial de Jorge Jesus. A alteração de Bruno César para a saída de Matheus compreende-se, manter o resto da equipa é, nesta altura, uma boa solução. O Sporting com maior ou menor dificuldade vai vencendo os seus jogos.

O que é um problema e agravou-se esta temporada, tornando-se evidente, é a situação defensiva perante oportunidades únicas dos adversários. Foi assim que nasceu o golo do Arouca. Bola trabalhada na lateral sem oposição, assistência efectuada novamente sem oposição e o jogador do Arouca a cabecear no centro da área, sem oposição, com Rui Patrício impotente para evitar o golo.

Foi, que me lembre, a única oportunidade de golo do Arouca em todo o jogo. (não vi nada em casa, a não ser os golos).

Valeu que o Sporting reagiu bem e marcou dois golos decisivos para a conquista dos 3 pontos. Primeiro por Alan Ruiz. Que bela jogada de combinação entre Coates e Gelson até a bola parar nos pés do argentino que com muita classe ludibriou defesa e guarda redes adversário.

Depois seguiu-se nova oportunidade com Bruno César bem no meio da área a desferir um remate fatal colocando o Sporting na frente do marcador.

O que se esperaria a partir daqui? 
Que o Sporting arrancasse para uma goleada. Que conseguisse o terceiro para não haver dúvidas quanto ao vencedor, para ajudar Bas Dost na questão da bota de ouro. 

Infelizmente nada disso aconteceu!

O Sporting entra na segunda parte adormecido. Sem vontade de procurar o golo e, acima de tudo, sem condições para não deixar dúvidas quanto ao vencedor da partida. Posse de bola, passe para um lado e para o outro, tudo sem garra, o que levou a que, praticamente, não fizéssemos um remate na segunda parte.

Além disso Jorge Jesus retira Alan Ruiz cedo da partida, era dos melhores em campo, Palhinha e Podence pouco ou nada acrescentaram ao jogo com as suas entradas e Paulo Oliveira com a entrada aos 90 minutos foi só para se perder tempo e retirar Gelson do campo pois, aparentemente, estava ligeiramente tocado.

A deslocação a Arouca valeu, acima de tudo, pelo convívio com os Sportinguistas e a conquista dos 3 pontos que permitiu reduzir a distância para os dois primeiros lugares no campeonato nacional.

Um Sportinguista acredita sempre até ser impossível, mas, mais que estar preocupado com os resultados dos nossos adversários temos de estar conscientes que os jogos que nos faltam fazer é para conseguir o mesmo de sempre de um clube como o Sporting: vencer!

quinta-feira, 30 de março de 2017

A entrevista de Bruno de Carvalho


Ontem Bruno de Carvalho deu uma entrevista à TVI. Dividida em duas partes, primeiro a um José Alberto Carvalho mal informado, uma prática recorrente nas entrevistas de futebol naquele canal, depois na TVI24 já com a presença de Dias Ferreira, José Pina e José Eduardo.

A entrevista de ontem não é daqueles formatos que eu mais aprecie, embora compreenda a sua necessidade, mas foi importante para esclarecer duas coisas.

Uma mais complexa de provar, mas veremos os próximos dias e que está relacionada com Bruno de Carvalho e a suspensão que lhe foi aplicada, a maior a um Presidente desde os tempos do Apito Dourado, altura, em que o rival, lutava pela transparência do futebol, e que ainda vai fazer correr muita tinta. Azul ou vermelha. Logo veremos.

Mas é na questão do futebol, aquilo que mais me interessou da entrevista do Presidente do Sporting. No dia a seguir à vitória nas eleições escrevi o seguinte num longo texto sobre os 4 anos que aí vinham, referindo, claramente, o título de campeão nacional no futebol.

Dizia eu, "Claro que no futebol não tivemos os resultados pretendidos. Não há dúvidas e Bruno de Carvalho sabe disso. Não pode passar outro mandato sem conquistar o título de campeão nacional em futebol masculino. Esse objectivo é eliminatório, ou seja, no próximo mandato se não o conseguir, obviamente terá de dar lugar a outro!".



Bruno de Carvalho confirmou aquilo que mais queria ouvir e que acho absolutamente fundamental para os próximos 4 anos do Sporting. No primeiro mandato, nunca, em momento algum, prometeu taxativamente o título. Usou diferentes termos, alguns até provocatórios, mas não prometeu aquilo que sabe não estar directamente relacionado e dependente do trabalho que efectua todos os dias na presidência do clube. Adicionando, claro, o estado em que o clube se encontrava.

Mas, neste segundo mandato que se inicia, avança para o desejo de conquistar mais que 1 título de campeão nacional e se não o conseguir "é porque não tenho essa mais-valia que achava que tinha" e, portanto, terá de ceder o lugar a outro. É impensável, diria, que nos dias que hoje correm, um Presidente do Sporting possa estar 8 anos sem conquistar um título no principal escalão do futebol masculino.

Por fim, vi muito gente preocupada com a questão da suspensão e se o presidente podia ou não dar a entrevista por, supostamente, já estar suspenso.







Não sou entendido em matérias legais, mas antes de acusar, seja do meu clube ou de outro, prefiro procurar nos regulamentos da Liga Portuguesa. No Regulamento Disciplinar, encontrei dois artigos, que estão nas imagens em cima, referente à suspensão de dirigentes e ao cumprimento da pena. Pelo que percebi, e tentei pedir a alguns amigos da área para perceber se era mesmo assim, este processo de Bruno Carvalho terá direito a recurso e enquanto decorre o período para recorrer, o castigo não produz efeitos.

Claro que depois há ainda a questão que nem todos os recursos suspendem a pena, mas depois há ainda a problemática que este castigo não te pode, diria, impedir de falar à imprensa.

Mas já sabemos como isto funciona, como é com Bruno de Carvalho, logo aparece a justiça e vontade popular dos rivais em querer impôr as suas regras!