segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Académica 1-3 Sporting :: superamos todos os obstáculos!


Uma vitória absolutamente essencial do Sporting depois de uma derrota europeia, com tudo aquilo que de prejuízo trouxe, e que serviu para perceber como a equipa reage às adversidades. Podia ter sido um passeio pela cidade de Coimbra, vestida de verde e branco, mas teimam em colocar obstáculos no nosso caminho que nada têm a ver com o jogo. Numa semana, particularmente interessante no que toca ao assunto da arbitragem.

Jorge Jesus foi forçado a efectuar alterações na equipa que habitualmente entra em campo. Primeiro, porque João Pereira estava castigado, segundo, porque se percebia que Ruiz e na minha opinião Teo, ainda não podem dar o seu contributo na plenitude das suas capacidades.

Vamos já ao assunto do lado direito. João Pereira foi contratado como um jogador da confiança de Jesus e claramente para ser titular naquela posição. Não começou bem a época, tem deixado sinais de preocupação e, apesar de Esgaio ter estado bem hoje em diante da Académica, é preocupante se o mercado fechar sem que nós resolvamos o que parece ser um problema. Aguardemos!


Não há dúvida que o Sporting entrou em campo com a consciência que era preciso resolver cedo o jogo. E assim foi. Carlos Mané e Slimani colocaram rapidamente o jogo em 2-0. A Académica que tem mostrado muito pouco futebol nesta início de campeonato, parecia uma presa fácil para um Sporting tão dominador. Mas, o jogo de hoje foi como uma prova de obstáculos, como no atletismo. Era preciso correr e saltar, não cair e esperar pela recta da meta para conquistar os 3 pontos.

O Sporting chegou ao intervalo a vencer por 2-1, a Académica não teve uma oportunidade de golo. Engraçado que ao fim de 3 jogos no campeonato, o nosso treinador, agora de verde e branco, já foi parar à bancada.

Com o início da segunda parte, rapidamente me veio à memória o jogo do ano passado onde sofremos o golo do empate mesmo ao cair do pano. Era urgente ampliar a vantagem. O Sporting fez e muito por isso. Dominou o jogo, com posse de bola e qualidade de passe, várias oportunidades para marcar, teve duas grandes penalidades, falhou uma por Adrien, caso raro, marcou outra por Aquilani.

Aquilo que produzimos ao longo dos 90 minutos foi mais que suficiente para sair de Coimbra com uma goleada, fosse este jogo uma prova sem os tais obstáculos. E nós, que somos um clube tão ecléctico, venceríamos com uma goleada de forma tão simples quanto natural!

Palavra final para os milhares de Sportinguistas que se deslocaram a Coimbra. Claro que o jogo a meio da semana deverá ter deixado alguns em casa, assim como o aumento ligeiro do preço dos bilhetes, mas é nestas alturas, de dificuldade pela resultado da Rússia, que o clube mais precisa de nós. São muitas as frentes de "batalha" que o Sporting tem no seu caminho e só unidos podemos chegar longe. E como bem sabemos, Coimbra tem mais encanto vestida de verde e branco!



sábado, 29 de agosto de 2015

Quando deixamos a pré-história?

foto: Stu Forster


Quando apitou para o final do CSKA - Sporting que ditou a nossa eliminação, percebi, muito rapidamente, que a derrota iria ser transformada num problema de arbitragem. Tenho recusado, este ano principalmente, entrar por esse caminho. Reconheço, obviamente, que fomos claramente prejudicados nesses dois jogos, mas, escolho e espero sempre que a discussão não seja apenas feita por um caso particular, mas num âmbito mais alargado. Só assim vamos chegar às tão desejadas soluções.

Hoje, o Presidente Bruno de Carvalho escreve um artigo de opinião muito bom que não se centra no prejuízo directo que o Sporting teve relativamente a decisões dos árbitros, que óbvio, mas no que verdadeiramente interessa discutir: a evolução do futebol.

Os exemplos dados no texto, que podem ler aqui, são óptimos e reflectem como diferentes modalidades, que geram milhões e milhões de euros por ano, se adaptaram às novas tecnologias. Não é novidade para ninguém. É pena, e é este o caminho que tenho falado e que prefiro que seja trilhado, o problema não é do Sporting contra a arbitragem, é sim uma contribuição para que o espectáculo seja, como nós adeptos (pagantes) queremos, um jogo em que o que decide a vitória é o golo, a finta, o desarme, o "frango"...e por aí fora.

Não sei o que dirão outras entidades em Portugal, estou farto da demagogia de achar que o Sporting faz isto porque foi prejudicado. Errado. Este Presidente tem lutado bastante, com propostas sérias, desde que chegou ao Sporting, por uma melhoria significativa de uma classe, os árbitros. que, quero continuar a acreditar, têm bons profissionais. Podia ser Luís Filipe Vieira ou João Gabriel a escrever este texto, que iria aplaudir a iniciativa. E dou este exemplo porque em tempos, Luís Filipe Vieira manifestou-se e muito contra a corrupção do futebol claramente ligada à arbitragem. Agora, esquecida, talvez, por conveniência. (para os mais incautos, não levem esta última frase para justificar que eu possa achar que o Benfica foi campeão por "colinhos").

Entendam sim que esta mudança deveria ser perpetrada por todos!

Acabou há momentos o Newcastle - Arsenal com vitória para os londrinos por 1-0. O Newcastle aos 16' ficou reduzido a 10 por vermelho directo a Mitrovic. No início da segunda parte, dizia o comentador americano na NBCSN, onde estava a ver o jogo, "A comissão de arbitragem inglesa já disse, agora no intervalo, que o vermelho foi muito bem mostrado". O comentador não concordou e deu a sua opinião, mas o importante aqui é que os responsáveis pelos árbitros da Liga Inglesa, atentos ao que se passa no jogo, logo vieram comentar um lance que seria polémico. Que diferença!

Não se vive na escuridão como cá em Portugal, onde os árbitros parecem proibidos de falar, têm medo de sair das "grutas" onde passam os dias até viajar para o estádio onde vão apitar. Quando é que deixamos a pré-história?

O 'porquê?' do videoárbitro

fonte: A Bola - arrastar a imagem para o browser para ampliar

Bruno de Carvalho escreve hoje no jornal "A Bola" um artigo de opinião sobre o videoárbitro.



sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Sporting no grupo H da Liga Europa




Grupo H: Sporting CP (POR), Beşiktaş (TUR), Lokomotiv Moskva (RUS), Skënderbeu (ALB)

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

CSKA Moscovo 3-1 Sporting :: custa perder assim!


Está difícil passar esta azia tão forte que me atingiu ontem à noite quando soou o apito final do árbitro na Rússia. Já no fim de semana passado tinha referido que não queria estar constantemente a falar dos árbitros dos nossos jogos. Não está fácil. Fomos prejudicados nos dois jogos e há uma consequência directa desse prejuízo na nossa eliminação!

As consequências financeiras e desportivas de perder o acesso à fase de grupos da Liga dos Campeões são dramáticas. As financeiras podem ser combatidas por um bom desempenho na Liga Europa para minimizar o diferencial. Não é tudo, mas ajuda. Já as desportivas...não há palco como a Liga dos Campeões e ainda ontem discutia com um amigo meu como estavam organizados os grupos e a grande possibilidade de ver fantásticos jogos. Sai mais um kompensan!

Criticar Jorge Jesus hoje é quase tão patético como andar há algumas semanas com ele ao colo como se fosse Deus. Jesus fez em poucas semanas coisas muito positivas, já conquistou um troféu, tem para já o apoio total nas suas escolhas. E é por aí que vamos começar.

Quando se conheceu a equipa titular para o jogo, vi muita gente criticar a equipa escolhida. Ora pelo Slimani não estar em campo, ora porque estávamos com receio do adversário. Sinceramente, o que vi foi um reforço do meio campo, que, até ao intervalo, funcionou bem. O Sporting vencia por 1-0, belíssimo golo de Teo e tinha o pássaro na mão.

Mas não podemos criticar Jesus? Podemos. Como criticamos todos os treinadores dos nossos clubes. Somos "treinadores de bancada" para isso mesmo. 

A equipa entrou na segunda parte completamente confiante que o jogo estava arrumado. É a minha análise, mesmo agora passadas mais de 12 horas. Todos que andam no futebol, dentro e fora, sabem, que um equipa adversária pode estar até estar nas cordas, mas se há momentos que os faz reavivar e acreditar que tudo é possível, é marcar um golo no final da primeira parte ou logo nos minutos iniciais da segunda. Foi o que aconteceu.

O golo sofrido, o primeiro, é uma clara desatenção e que, apesar do cotovelo, não poderia nunca ser consentido. A lembrar aquele momento decisivo em Bilbao quando sofremos antes do intervalo e hipotecámos a ida à final da Liga Europa.

Mas vamos ao resto da segunda parte e é aí que me deixa ainda mais aziado. Sai mais um kompensan!

Sejamos honestos, o CSKA venceu-nos com 2 jogadores (e dois árbitros, ok). Uma equipa básica que com a sua arma, conhecida, arrumou uma equipa inteira do Sporting quando, a 45 minutos do final da eliminatória, estávamos a vencer por 3-1. Isso custa, e é aqui que Jorge Jesus falha neste jogo.

Aceito que ele diga que esperava pelo prolongamento para fazer as substituições, pois ainda faltaria meia hora de jogo, mas por outro lado, um equipa com uma defesa tão permeável, tão básica ao nível do processo ofensivo, estava a conseguir levar a melhor sobre um Sporting que tinha mostrado argumentos superiores em mais de 60% da eliminatória. Daí que este jogo tenha custado e colocado em causa como, apesar de nossa qualidade, possamos ter perdido com "este" CSKA. 

Perdemos e isso está a custar muito, árbitro, apagão de certos jogadores na segunda parte, decisão tardia para alterar as peças em campo em função apenas do terceiro golo sofrido, equipa que não consegue manter (ainda) o ritmo em mais de 50% do jogo e árbitro.

Custa muito perder assim, mas que seja uma oportunidade para perceber que o caminho é longo e sinuoso. Domingo há mais e Coimbra espera por nós!

terça-feira, 25 de agosto de 2015

Descansa em paz Mascarenhas!



Naquela que ainda é a maior goleada das competições europeias, a vitória do Sporting Clube de Portugal por 16-1 ao Apoel, Mascarenhas marcou 6 golos. Hoje, o antigo Leão morreu.

Descansa em paz Mascarenhas!

domingo, 23 de agosto de 2015

Sporting 1-1 Paços de Ferreira :: pedrada no charco!

foto: Carlos Rodrigues

Foi o final de tarde (quase) perfeito para os mais de 5 milhões de adeptos do "clube" que querem ver o Jorge Jesus a perder, que na realidade, a perda dos dois pontos só aconteceu porque, aqueles que, eu por exemplo, gostaria de não falar durante esta época, continuam a fazer das suas. Não pelo que marcaram contra nós, mas pelo que é o costume falhar contra o Sporting!

Tradicionalmente nesta época do ano, são as festas na aldeia do meu pai. Não vejo o jogo nos cafés porque não tenho pachorra para aturar as opiniões formadas com base na nulidade dos jornais desportivos, não havendo sinal de internet de qualidade, o recurso ao stream é o caminho, bem como as paragens constantes da imagem.

Jorge Jesus mexeu na equipa como esperado. Pelo menos, assim pensei quando vi Montero na equipa. Se na semana passada achava que a sua entrada era natural, ontem percebeu-se que passou completamente ao lado do jogo. Reforço, não sou mesmo treinador, nem de bancada. Já Aquilani, começou bem, a mostrar o que já tinham sido os sinais do jogo contra os russos, mas do outro lado, verdade seja dita, esteve um Paços de Ferreira que não veio a Alvalade para defender e só alterou a sua forma de jogar, depois de estar contente com o resultado e quando começou com as tradicionais perdas de tempo na reposição da bola em jogo.

A grande questão é que houve uma repetição do que se passou em Aveiro. O Sporting sofreu o golo do empate e não conseguiu reagir. Aliás, ao final de 4 jogos oficiais, em 3 deles, os 3 últimos, na necessidade de reagir, foi o único que não conseguimos: por falta de criatividade, sorte e de...enfim, não vamos falar e acentuar uma certa ideia.

Num jogo que Carrillo voltou a ser o melhor, João Pereira mostrou a fragilidade do lado direito, mais uma vez fruto da velocidade do adversário que encontrou, e foi, diga-se, ingénuo no lance da grande penalidade que dei o empate ao Paços. Jesus vai ter, obrigatoriamente que mexer no lado direito da defesa, o mais problemático do Sporting desta época.

Nota final para Gelson Martins, que voltou a entrar muito bem, agora com mais minutos, a mostrar que está na altura de ter mais minutos em campo e que não marcou por manifesta infelicidade e qualidade da defesa de Marafona.

Não vencemos e não vem daí mal nenhum ao mundo, é importante é que não se torne numa "regra" desperdiçar pontos em Alvalade, como em tempos mais recentes, e mais importante que o que se passou ontem, é a forma como vamos reagir, já na próxima quarta e no fim de semana quando viajarmos até Coimbra.

Gosto de futebol e do que se passa dentro do rectângulo de jogo, apedrejar o carro do árbitro não é o caminho para alterarmos o futebol nacional. Há outras formas e terá de ser pelo caminho da legalidade, alteração de princípios, ente outras medidas que continuaremos a "guerra" contra os poderes instalados. E não basta dizer "provavelmente do Sporting" os que atiraram pedras, não basta, nem os pouco mais de 40 são significativos para o universo que o Sporting representa. Só ontem em Alvalade estiveram 41 mil, mais uma boa casa de gente que só quer vencer dentro de campo!

quarta-feira, 19 de agosto de 2015

Sporting 2-1 CSKA Moscovo :: faltou um golo!

foto: Carlos Rodrigues (getty images)

Estamos com sete semanas de Jorge Jesus num Sporting reforçado e com outras ambições, mas muitos não esperariam que em pleno Agosto, após 3 jogos oficiais estivéssemos com 3 vitórias inequívocas. Há muito trabalho pela frente? Claro que há e o jogo de ontem mostrou que as nossas fragilidades defensivas são grandes. Já lá vamos!

Foram 41 mil os adeptos do Sporting que se deslocaram a Alvalade naquela que poderá ser a audiência média no nosso estádio, caso continuem as boas exibições e a perseguição pelos objectivos definidos para esta temporada. Seria muito bom.

O Sporting entrou forte, tal como tinha acontecido diante do Benfica e consegue uma primeira meia hora de jogo de enorme intensidade e foi quase com naturalidade que se assistiu ao golo de Téo Gutierrez. Nas assistências estiveram em evidência, Carrillo e Ruiz, este último cada vez mais preponderante nas acções ofensivas.

Para sermos mais precisos, aos 26 minutos Doumbia falha a grande penalidade que o árbitro turco viu e marcou. Foi esse o período mais conturbado do Sporting e onde as deficiências defensivas foram mais sentidas. Patrício ainda defendeu a grande penalidade, mas as setas continuavam apontadas à sua baliza, ora Musa, ora novamente Doumbia que, numa desmarcação pelo centro da defesa do Sporting, acabaria mesmo por empatar só com o guarda redes do Sporting pela frente.

A questão defensiva do Sporting tem sido trabalhada desde que Jorge Jesus está no clube. Naldo e Ciani vieram para o centro, João Pereira para a direita. Acontece que, a ver por este início de época, um já foi despachado e o outro, mostra alguma dificuldade, que neste momento só me fica a dúvida se é pela idade e falta de força física que não irá dar mais. Falo claro de João Pereira. Este alerta para o lado direito já tinha acontecido diante do Tondela e ontem intensificou-se. Diria que ter Esgaio no banco é pouco.

Claro que a ajudar a tudo isto, com William e Ewerton lesionados, a equipa do Sporting está bastante permeável e o tempo, que por vezes é conselheiro, é algo que nos falta. Claro que não vamos à Rússia jogar para outro resultado senão a vitória, e será esse o caminho para afastar o CSKA.

Estamos também apenas no terceiro jogo oficial da época, mas há jogadores que estão a "durar" muito pouco. Téo é um deles. Bem sei que leva dois golos (ok, para mim era apenas um), mas rapidamente deixa de ser um elemento em campo. Tal como tinha dito no início do jogo de ontem, não sei até que ponto Montero não seria melhor solução. Mas lá está, o treinador não sou e o que lá está sabe muito mais do que eu sobre futebol.

Depois há Ruiz. Não tenho grandes dúvidas, embora cada vez mais não o faça com tão poucos jogos, que, quando estiver em forma, será um excelente reforço do Sporting, mas para já ainda só aguenta 60 minutos.

O intervalo chegou com o resultado empatado a um golo. Justíssimo!

A segunda parte mostra um Sporting novamente lutador, um CSKA a jogar no erro e contente com o empate e um árbitro turco que, apesar de ter apitado a final da Liga dos Campeões da época passada, foi fraco e prejudicou sempre o mesmo lado, infelizmente o nosso.

Aliás, o Sporting é a única equipa que já efectuou dois jogos de andebol na Liga dos Campeões, contra o Schalke e agora diante do CSKA. A grande penalidade de Berezutskiy é tão clara que dá para perguntar o que estava o árbitro de baliza ali a fazer?

Jesus foi alterando a equipa à medida que os jogadores iam "estourando" e a entrada de Aquilani é fundamental para o desenlace do jogo. A qualidade de passe do italiano foi notória e finalmente começamos a ter boas dores de cabeça para o centro do terreno. Adrien, João Mário, Aquilani, William Carvalho são tudo opções válidas e sem lugar seguro.

Na frente é preciso mais. Se em Aveiro contra o Tondela, o argelino Slimani poucas oportunidades teve, ontem não se pode queixar disso. Já em tempos escrevi aqui no blogue, quando o ele deu uma entrevista ao jornal Le Buteur, que a meta dos 15 golos que ele quer ultrapassar é um objectivo muito curto. Slimani tem de valer mais de 20/25 golos por época. O golo que ontem marcou, e que terá sido muito importante para a sua motivação pessoal, foi o culminar de um conjunto de oportunidades que ele teve e que não conseguiu concretizar. Já conseguiu e de forma justa melhor o seu contrato, agora tem de se focar ainda mais em melhorar a sua concretização em frente à baliza. 

Nota final para Gélson Martins. A alegria estampada no seu rosto quando entra em campo é proporcional à qualidade de jogo e a à intensidade que emprega de cada vez que é chamado a entrar. Está confiante e sabe que o treinador aposta nele para ser uma das revelações do campeonato, a ver se corresponde.

O resultado foi curto, mas estamos na Liga dos Campeões, e como se viram nos outros jogos da noite, não há muito desnível nos resultados finais. Ainda assim é uma vitória, claro que teria sido melhor sem sofrer golos, mas o mais importante foi conseguido e que acabou por ser até histórico, já que foi a primeira vez que o Sporting venceu uma equipa russa para as competições europeias. Agora, de hoje a oito dias que seja a primeira vez que os eliminamos. A época depende, financeiramente, do acesso à Liga dos Campeões, e é bom que todos tenham consciência disso!